Opinião

Dinheiro em Caixa

Faço uma declaração afetiva de interesses quanto à Caixa Geral de Depósitos. Entre outras razões, porque para ali entrei, por concurso público, há muitos anos, naquele que foi o meu primeiro emprego. O banco do Estado representou sempre um indispensável instrumento da política pública na área económico-financeira, para quem, como eu, não cultiva a sacralização da "mão invisível" reguladora do mercado. Por isso, a crise que a Caixa atravessou recentemente não me deixou indiferente, quase tanto quanto as pulsões para a sua privatização, ideia quase criminosa face ao interesse público, se pensarmos naquilo que está a ser a desertificação da presença nacional na banca que resta por aí.

O Governo obteve uma vitória importante no processo de recapitalização da Caixa, que permitirá superar a fragilidade conjuntural revelada nos recentes testes de "stress". Se isto fosse um país com memória, o Executivo anterior deveria ser chamado à responsabilidade pela incúria com que tratou a Caixa - por exemplo, mentindo descaradamente ao país quanto à existência de uma possibilidade efetiva desse reforço de capital, sem efeitos no défice, para efeitos das contas europeias. Se o dossiê recapitalização correu bem, já o da nomeação da nova Administração foi envolvido em escusadas trapalhadas, jogando na praça pública, por incompetência indesculpável, com personalidades respeitáveis, que não mereciam esta incúria política.

Dir-se-á que tudo acabou em bem e que, agora, há que partir para um tempo novo. Não me parece. Por muito que isso possa incomodar alguns, desejosos por passar uma esponja sobre os tempos idos, eu, como contribuinte-investidor, quero exercer aquilo que os franceses chamam o "direito de inventário" sobre o que se passou na Caixa, que conduziu à situação que agora se pretende superar.

Eu e todos os portugueses - repito, contribuintes-investidores - temos o direito a saber, preto no branco, quais as responsabilidades exatas do condomínio PS/PSD, com algum CDS à mistura, que dominou a Caixa nas últimas décadas. Desde logo porque, nessa gestão politizada, houve gente competente e outra que o foi menos - e não podem todos ser medidos pela mesma rasa.

Os portugueses têm o direito de saber, com nomes e números, quem foram, nos anos que prejudicaram a instituição, os responsáveis pelos créditos concedidos sem as necessárias garantias, se houve motivação política nessas decisões, se aconteceram, e porquê, grandes perdões de dívida e quem são hoje os principais devedores incobráveis - alguns dos quais andam por aí de costas direitas, com ar de gente séria.

A Caixa é uma coisa demasiado importante para que os erros de quem por lá passou possam ser iludidos, numa espécie de voluntária amnésia para absolver os vícios políticos do sistema. E, se o Governo e alguns partidos se mostrarem relutantes a fazê-lo, o presidente da República deveria lembrar-lhes essa responsabilidade. O país ficaria grato.

* EMBAIXADOR