Opinião

Os vencidos da dívida

Os vencidos da dívida

As recentes eleições na Grécia tiveram, entre nós, nos últimos dias, um tratamento mediático banal. O regresso ao poder dos conservadores, com maioria absoluta, foi assinalado quase com parcimónia. Mudam-se os tempos...

Há uns anos, o nosso país emocionava-se fortemente em face da crise grega, de um país mergulhado em dívida, com uma situação social gravíssima, com uma conflitualidade quase levada ao extremo nas ruas. A Grécia era, então, o nosso espetro: "não somos a Grécia", diziam alguns, a exorcizar o pior.

Com a derrota histórica da social-democracia, a "esquerda da esquerda" subiu ao poder em Atenas. Subitamente, a cara sorridente de Alexis Tsipras, o líder do Syriza, passou a fazer parte do nosso quotidiano informativo, acolitado por Varoufakis, um ministro das Finanças que, de um dia para o outro, passou quase a "sex symbol".

Aqueles que, por cá, defendiam que se devia mandar às urtigas os compromissos subscritos com Bruxelas viam no desengravatado estilo dos novos gregos um farol de esperança. Bater o pé a e em Bruxelas era a moda do tempo.

Reféns da dívida, os governantes gregos iniciaram o seu percurso com o óbvio "não pagamos!". Todos acompanhámos então a coreografia dos seus dirigentes pelos corredores de Bruxelas. Não foram poucos os que duvidaram de que aquele método abrupto de negociar viesse a ter o mínimo de sucesso, mas, por cá, em certos meios, ironizar com o estilo de Varoufakis chegou a ser equiparado a uma traição. É certo que vivíamos num país onde uma coligação troika/PSD/CDS parecia justificar o maniqueísmo, tanto mais que ela se portava, face ao caso grego, com um cinismo egoísta, tentando arrancar um esgar de simpatia a Berlim.

Um dia, Tsipras, ciente de que o método Varoufakis afinal nada mais era do que a irresponsabilidade feita política, percebendo que Angela Merkel não queria uma crise na Zona Euro, cedeu e comprou o regresso a uma certa normalidade. A acalmia dos tempos europeus pós-crise fez o resto. Havia outro caminho? Talvez, mas esse passava pelo completo isolamento internacional da Grécia e, com toda a certeza, por um sofrimento ainda maior do seu povo. Tsipras foi apenas realista.

Em política, a gratidão não é a regra. O modo como o Governo grego conseguiu resolver o velho conflito toponímico com os vizinhos da nova Macedónia do Norte acabou por ser inscrito a débito na contabilidade da governação do Syrisa. A coragem de Tsipras não foi premiada. Agora, regressa à oposição. É assim a democracia, também no país onde ela nasceu.

Embaixador