O Jogo ao Vivo

Opinião

O vício de ser caranguejo

O vício de ser caranguejo

Dizem os pescadores que quando se colocam caranguejos num balde não é necessária tampa. Se um tentar sair, os outros puxam-no para baixo. Encurralados pelo desespero, acabam por prejudicar-se uns aos outros.

A metáfora assenta na perfeição a muitos comportamentos humanos e ilustra a tentação de criticar as reivindicações e conquistas de determinadas faixas ou grupos profissionais.

Recentemente, o Governo anunciou a atualização do salário mais baixo praticado na Administração Pública para 635 euros. De imediato se ouviram acaloradas discussões sobre os privilégios dos funcionários públicos. Como se o Estado estivesse obrigado a praticar o salário mínimo que concerta com o setor privado. E como se não houvesse, tendencialmente, um efeito de contágio quando se melhoram condições laborais no público.

Sabendo-se que os recursos são limitados, governar é sempre a arte de escolher entre alternativas e é inevitável que muitas leituras sobre a justiça das decisões se façam por comparação. O que não implica, contudo, nivelar por baixo e avaliar todas as coisas a partir do degrau do fundo.

Não há, apesar dos cenários cor-de-rosa traçados no Orçamento do Estado para 2019, razões para um otimismo sem fundo quanto ao rumo do país. A dívida pública mantém-se em níveis incomportáveis, há serviços públicos em manifesta rutura, atravessámos anos de recessão e de intervenção externa sem conseguir reformar a pesada máquina do Estado.

Quase a entrar em ano cheio de eleições, vale a pena pensarmos nas escolhas que fazemos e no contributo cívico que damos para um futuro menos sombrio. Sem pessimismos que paralisam e sem receio de ver caranguejos treparem pelo balde. Sairemos todos reforçados se alguns forem vencendo as barreiras. Desde que não se esqueçam dos que continuam encurralados.

Subdiretora

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG