Opinião

Marcelo encontra-se finalmente com o Zé

E, ao nono dia, o regime foi confrontado por José Marques dos Santos, de 79 anos, em Alferce. O diálogo decorre entre o presidente da República (Marcelo) e o referido cidadão (José). Assiste o Governo, na pessoa do ministro da Administração Interna e, presumo, o senhor presidente aposentado da Autoridade Nacional da Protecção Civil, cuja figura de corpo presente a população certamente agradeceu. Sem comentários. José: Vou dizer aquilo que penso. Marcelo: Mas eu percebo, eu percebo. José: Não percebe. Não percebe porque não sabe como é que se combate incêndios. Marcelo: Não, não. José: E essa gente da Desprotecção Civil não conhece e não sabe o que é isto. Marcelo: Vamos lá ver... José: São os bombeiros comandados aqui por Monchique. Por Monchique. Não é outra gente que mete sacos de rolha e que não sabe nada disto. Nem sequer das estradas sabem, nem sequer as conhecem. Marcelo: Deixe-me, deixe-me, espere, espere... José:... quiseram agora levar a população de Alferce para São Marcos da Serra. E às tantas morria tudo, como naquela serra, o ano passado...... E o governo o que é que quis fazer aqui? Salvar as pessoas para que não fosse o maior criminoso da Europa em tempo de paz. Marcelo: Sim... José: Foi o que o Governo quis. Marcelo: "Tá bem. José: E deixou arder tudo. Marcelo: Mas vamos lá ver... José:...Porque as pessoas sabiam que, atravessando aquela estrada, aquilo vinha logo para aqui. Aqui estão estacionados bombeiros ao longo do Verão, todos os verões. Agora, quando há um incêndio, nem um. A Desprotecção Civil, onde é que parava? Onde é que comandava? Essa gente é tudo gente dos partidos, que não percebem nada disto. Marcelo: Pronto, pronto, deixe-me dizer... José: Este senhor (apontando para o MAI, Eduardo Cabrita), em parte, em parte, é um grande responsável também. E o chefe dele, maior responsável ainda. E o senhor, como comandante supremo das Forças Armadas, deve pôr a aviação portuguesa a comandar isto tudo. Isto é uma criminalidade desenfreada que aqui existe. Marcelo: Deixe-me dizer-lhe o que é que penso. José: O senhor pensa, mas está muito longe do sofrimento desta gente daqui. Está muito longe. Marcelo: A sua posição não é a posição da Constituição da República Portuguesa e eu jurei cumprir a Constituição e portanto... (compara com Espanha, França, América, etc.). A Força Aérea, a Força Aérea, é evidente que os meios aéreos são fundamentais...para prevenir. José (resumindo): A Desprotecção Civil é o mandatário do Governo. São uns ignorantes."

JURISTA

o autor escreve segundo a antiga ortografia