O Jogo ao Vivo

Opinião

Conto de Natal

O título desta crónica não é um chamariz. Este texto é mesmo um conto. Um miminho para os leitores que durante todo o ano aqui vêm ler coisas sobre a atualidade e o futuro. Hoje, a atualidade fica lá fora e o futuro também não entra.

Nada de análises e projeções, estas linhas são uma simples tentativa de conseguir levar a sua atenção até ao fim do texto. Coisa difícil, se ainda tiver compras para fazer e mesmo impossível, se já estiver a cozer o bacalhau.

Então vamos lá. Há muitos, muitos anos, três cavaleiros de países diferentes descobriram, mais ou menos em simultâneo, que iria nascer, dali a pouco tempo, um homem cujo destino era mudar a história e salvar o Mundo.

Como eram uns tipos aventureiros, desejosos de conhecimento e com posses (dizem alguns que até eram reis mágicos), decidiram assistir ao vivo a esse evento e puseram-se a caminho.

Era uma aventura incerta. Por causa do que a seguir vamos ficar a saber, os promotores, contrariando todas as estratégias de marketing, não disseram a ninguém que ele ia acontecer. Não contrataram agência de comunicação, não fizeram uma campanha publicitária e nem sequer abriram página no Facebook. O acontecimento era praticamente clandestino.

Para os reis, o único sinal animador era o facto de uma determinada estrela brilhar no céu mais do que o era costume, o que eles interpretavam como um bom sinal. Logo se puseram a segui-la, a ver no que dava.

PUB

Segundo o evangelho de S. Mateus - o único dos livros do Novo Testamento que fala deles -, foi com grande contentamento que, depois de inúmeras peripécias descobriram o lugar. Era Belém, perto de Nazaré, uma terra da Palestina.

Conforme a escritura - que era só uma, como já vimos -, encontraram, num modesto estábulo, um pequeno rapaz, chamado Jesus, aparentemente acabado de nascer. José e Maria, os seu pais, escondiam-se nessas instalações por causa da imensa maldade de um tal de Herodes que, também sendo rei, estava muito enfadado com o aparecimento de outro que, ainda por cima, ia mudar a história. O que, como todos sabem, veio mesmo a acontecer.

Essa noite de há 2017 anos ficou conhecida de todos como "Natal" e é a festa mais celebrada em todo o Mundo.

Símbolo de família, união, partilha e harmonia, ultimamente tem vindo a ser transformada numa feira de consumo. Por isso, não falei do ouro, do incenso e da mirra. Porque não fazem cá falta nenhuma.

Feliz Natal a todos!

* ESPECIALISTA EM MEDIA INTELLIGENCE

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG