Opinião

Amo-te Liberdade

Quando a liberdade faz anos cantam-se-lhe os parabéns. Parabéns Liberdade! 45 primaveras. És uma jovem na flor da idade, uma mulher madura e mãe. Uma bela balzaquiana cheia de sabedoria e experiência, mas ainda com a vida toda pela frente.

Bem sei que esta conversa de género é desaconselhável nos tempos que correm, mas só consigo pensar em ti como uma mulher. Foi assim que os artistas sempre te representaram: uma mulher corajosa e forte, capaz de lutar pelas causas de todos, entregando muitas vezes o seu próprio sacrifício como penhor.

Sempre gostei de te ver como a justiça que vê. Sendo uma figura pequena e delicada no meio de uma ilha no Sena, na Cidade das Luzes; ou uma estátua tão grande como uma nação, na baía do Hudson, em Nova Iorque, dando as boas-vindas a todos os que não conseguem viver sem ti.

Para mim a Liberdade é uma mulher. É assim que te celebro hoje, pedindo desculpa a todas a minorias que agora até me podem censurar, mas apenas porque existes.

Nasceste em Portugal há 45 anos e cada vez há menos gente que não sabe que havia um "antes" de tu chegares; que cada vez menos reclamas que te admirem e apenas existes como a casa comum de todos, onde cada um individualmente pode expressar a sua vontade e os seus ideais.

Parabéns Liberdade. Tento explicar-te aos meus filhos - e a todos os que não viram a outra senhora - dizer-lhe que o mais importante sobre ti é o facto de existires sem que seja preciso passar a vida a nomear-te, nem a lembrar aquela velha ditadura que só recordam os que ainda não te entranharam por completo.

Parabéns Liberdade. Obrigado por estares aqui. Obrigado por seres tão bonita. Obrigado por me deixares dizer aqui, à frente de todos, que te amo.

* ESPECIALISTA EM MEDIA INTELLIGENCE