Opinião

O Berardo expiatório

O Berardo expiatório

"O bode expiatório" não é o nome de nenhuma obra de arte da coleção Berardo, mas podia ser o título perfeito para esta novela de cordel com que as máquinas de propaganda dos bancos e dos partidos andam a enganar o zé-povinho.

É preciso ser claro. Neste caso a culpa é exclusivamente dos partidos e dos bancos, do PS, do PSD e de todos os que participaram no processo em nome do Estado.

A novela pública do Estado desgraçadinho, enganado por um empresário malvado que se aproveitou da inocência do capuchinho vermelho para comer a avozinha, é um insulto à inteligência.

Vir agora tentar sacudir as culpas para cima de Joe Berardo é uma anedota. Como se fosse legítimo esperar que ele tivesse a obrigação de defender o Estado contra si próprio. Ou proteger o bom povo acionista da Caixa.

Que culpa tem agora o comendador se os bancos puseram a negociar com ele uma série de incompetentes na matéria? Que culpa tem ele que tenham posto a falar com o seu advogado, especialista internacional no mercado da arte, pessoas que não percebiam nada do negócio? Que não distinguem as diferenças entre uma avaliação da Christie"s ou da Sothebys"s?

Ao contrário de outros, que agora se comparam com ele, Berardo nunca foi político, não teve a tentação de se fazer eleger para o que quer que fosse, nem nunca aceitou nenhum emprego do Estado. Apenas negociou com ele quando lho propuseram e então, legitimamente, procurou fazer o melhor negócio.

Tenham paciência, mas esta história é assim: uma cambada de incompetentes perdeu um montão de dinheiro que o povo lhe confiou e agora tenta arranjar um culpado.

Só que Berardo não tem vocação para bode expiatório. Gosta mais de ser o lobo mau. E come anjinhos ao pequeno-almoço.

*ESPECIALISTA EM MEDIA INTELLIGENCE

Outros Artigos Recomendados