Opinião

Rafa & Charles

Há duas pessoas de quem vos quero falar. A Rafa e o Charles. Encontrei-os em Lisboa no espaço de uma semana. Trabalham os dois na mesma área: a criatividade. São estrangeiros e vieram cá pelo mesmo motivo, porque o nosso país está na moda. Separados por duas gerações procuram em Portugal os caminhos para o futuro. Mas o que aqui encontraram não é exatamente tão animador. Foi entre um jantar de bacalhau nas Avenidas Novas e um copo de vinho branco das Janelas Verdes que falámos sobre o futuro para Portugal.

A Rafa é uma jovem brasileira, sócia da Perestroika, uma escola diferente, futurista, com muito trabalho feito no Brasil e nos Estados Unidos. Transformar o Mundo num lugar mais criativo, subversivo, sensível "e do bem", é o propósito dela. Rafa acredita que o modelo de educação clássico não está adequado aos dias de hoje e que, para mudar, é preciso sermos criativos. "Tudo o resto é menos importante". É preciso ensinar os mais novos a abrir a mente e trazer os mais velhos de novo à sociedade. "Tudo o contrário do que acontece agora". Rafa acredita que em Portugal, neste tempo onde todos estamos ligados, é mais preciso reintegrar os mais velhos na sociedade e parar de castrar os mais novos com uma educação errada.

O Charles é inglês, mestre em cidades criativas e há muito que conhece Portugal. Desta vez veio apresentar um estudo sobre a evolução de Lisboa. Acha que o processo em que agora vivemos não é muito diferente de todos os outros do nosso passado - os fatores do nosso aparente sucesso vêm sempre do exterior; como antes aconteceu com o ouro do Brasil, a guerra nas Colónias, as remessas dos emigrantes ou a entrada na União Europeia. A explosão do turismo é apenas um episódio que, mais uma vez, não está a ser bem aproveitado. "Lisboa parece uma velha senhora curvada sobre si própria". A cidade não se está a transformar, está apenas a ser transformada. A riqueza que agora vem, não vai cá ficar muito tempo.

Separados por duas gerações, Rafa e Charles, põem o dedo na mesma ferida. Em Portugal, quando alguém no poder tem sorte, prefere permanecer, a mudar. É sina antiga.

* ESPECIALISTA EM MEDIA INTELLIGENCE

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG