Opinião

Um dos truques da destruição do SNS

Um dos truques da destruição do SNS

Em Portugal as leis fazem-se e desfazem-se ao sabor de interesses particulares. O mais recente escândalo da CGD é apenas mais um exemplo, com argumentos usados à medida do favorecimento de um administrador, como se fosse o único do Mundo, não obstante os cemitérios estarem cheios de insubstituíveis!

Enquanto alguns engordam milionariamente, o SNS vai morrendo à míngua.

O filho de uma doente transplantada hepática, de Lisboa, enviou-me cópia de uma requisição de RMN devido ao aparecimento de "formações nodulares hipocaptantes"; o exame foi marcado para seis meses depois...

A mesma pessoa, há muito nos circuitos dos doentes hepáticos, refere que muitos destes doentes são obrigados a recorrer ao privado, pagando, para fazerem os exames de que necessitam para serem seguidos no SNS!

O diretor de um Serviço de Radiologia de um grande hospital do litoral demitiu-se pela falta de condições técnicas e humanas do serviço e a manifesta incapacidade de fixar os jovens especialistas que nele se formam.

Num outro grande hospital do litoral, um acelerador linear, para efetuar radioterapia aos doentes com cancro, é de 1999, ultrapassou o prazo de validade e avaria todas as semanas, com o óbvio cortejo de consequências.

Cada vez mais hospitais vão encerrando camas por falta de enfermeiros e continua a faltar dinheiro para contratar mais horas de trabalho médico.

O crescimento das urgências, apesar dos "esforços" em sentido contrário e da redução dos cidadãos sem Médico de Família, traduz objetivamente, a distintos níveis, as deficiências do SNS e dos apoios sociais.

O défice de 2016, as cativações em curso e o Orçamento do Estado de 2017 para a Saúde tornam muito difícil a libertação de recursos para a melhoria dos serviços e para o necessário investimento em novos equipamentos e/ou instalações.

O que mais me espanta é que se façam leis para a CGD, mas não se façam leis para o SNS! A Assembleia da República anda a dormir?!

Um presidente de CA de um grande hospital disse-me que poderia aumentar a produção de exames complementares, particularmente da área da Radiologia, com uma drástica redução das listas de espera, poupando muito dinheiro relativamente ao envio para o privado e rentabilizando a capacidade instalada, se pudesse contratualizar com os seus profissionais mais horas de trabalho, nomeadamente ao fim de semana. Perguntei-lhe: "E porque não o faz"? Resposta direta: "Porque a Lei não permite!"

Expliquem-me, como se eu fosse muito burro: neste país podem fazer-se leis para beneficiar um administrador da CGD, mas não podem fazer-se leis para beneficiar a rentabilização do SNS e melhorar a resposta aos doentes?

Que país é este, que se autoproíbe de utilizar a sua capacidade instalada? É um dos truques da destruição do SNS... Que ainda não mudou com a atual maioria.

BASTONÁRIO DA ORDEM DOS MÉDICOS

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG