Opinião

Como a lesma

Não foi bonito. A malfadada segunda-feira mesmo ali à porta, 97 minutos de sorrisos cada vez mais rasgados a anteverem uma luz de ânimo para enfrentar nova semana de trabalho, milhares de posts e graçolas preparados... e de repente Rafa faz aquela desfeita a milhões de portugueses. O choro coletivo deixou registo. Nomeadamente 3 na escala de Richter. O mesmo número de pontos que aquele encostar simples assegurou.

Para trás ficou uma jornada típica do futebol lusitano. Tondela voltou a demonstrar que Portugal é um país tecnologicamente atrasado. Ele é o interminável leilão do 5G, ele é avarias no SIRESP, ele é o VAR que raramente funciona nos jogos do F. C. Porto. É a única explicação que encontro para Pepe não ter sido expulso e ninguém ter vislumbrado o penálti evidente favorável aos beirões. Mesmo assim, o inefável Conceição conseguiu (re)encontrar motivos para queixumes arbitrais. Quando, após sair da Invicta, Sérgio se deparar com a inevitável queda livre da sua carreira como treinador, pode sempre dedicar-se ao ciclismo. Afinal, é especialista em fugas para a frente.

Bem mais a Sul, em território de viscondes, o Sporting voltou a vencer pela margem mínima. Algo que sucede pela 138.a vez desde que Amorim assumiu o comando. O mister leonino tem tanta sorte que os árabes do Newcastle estarão interessados em adquiri-lo. Não como manager mas sim pata-de-coelho. O que não é de estranhar se considerarmos a propensão que o sheik Mohammad bin Salman tem para cortar pessoas às postas.

Enfim, a Liga parece a guedelha de Pedro Proença: tudo na mesma.

A história recente do Vizela roça o conto de fadas. O mérito do narrador participante Álvaro Pacheco é inegável.

O joelho de Murillo, que insistiu em permanecer colado ao corpo do atleta, apesar de todos os esforços de Zaidu.

Adepto do Benfica

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG