Opinião

Na arena dos votos vale tudo

Na arena dos votos vale tudo

É evidente que o espetáculo das touradas deixou de ser um problema e passou a ser uma arma poderosa na caça ao voto.

Neste, como noutros assuntos, como Tancos, por exemplo, a estratégia do "não sabia", "não tenho conhecimento", "estou surpreendido", tem resultado. Vamos diretos ao assunto. Na polémica que se instalou sobre a descida do IVA a aplicar nos espetáculos taurinos, a ministra da Cultura não teve receio, mesmo que na sua primeira intervenção no Parlamento enquanto governante, de tornar pública a sua posição. Disse ao que vinha. Mostrou-se contra a descida de taxa e foi mais longe ao classificar o assunto como uma questão de civilização. Podemos dizer o mesmo de outras posições políticas? Não parece. Rapidamente se percebeu que a questão das touradas vale muitos votos, quer seja a favor quer seja contra.

O "esquecimento" do líder parlamentar do PS, Carlos César, em avisar António Costa que iria propor a não exclusão das touradas da baixa de IVA, deixou o primeiro-ministro aparentemente irritado e "surpreendido". Pois bem, nós também poderíamos ficar perplexos ao concluir que o Governo e o PS não comunicam entre si sobre uma das matérias mais mediáticas das últimas semanas.

Das duas uma: ou o Governo e o PS estão sem rei nem roque e cada um faz o que quer ou, já em pré-campanha, vale quase tudo para conquistar votos. Até "fake" esquecimentos. E é interessante que um desacordo público e embaraçoso, sobretudo para António Costa, não cause qualquer tipo de problemas à Esquerda à boleia da "liberdade de voto" dada aos deputados socialistas. Dá jeito. Dá para os dois lados.

Não é por acaso que usamos a expressão arena política. Tudo isto parece mesmo uma tourada onde nos espetam bandarilhas ornamentadas de papel de seda às cores até ao momento em que os iremos eleger.

Vale tudo nesta arena, menos acabar com as touradas.

Diretor-adjunto