Opinião

Quem mente? Ou mentem todos?

Quem mente? Ou mentem todos?

A primeira Lei de Murphy diz que "se algo pode dar errado, dará". E os envolvidos no caso de Tancos, que verdadeiramente ainda não sabemos ao certo quantos e quem são, deviam ter-se lembrado desta máxima.

O major Vasco Brazão, que coordenava a investigação militar ao assalto aos paióis, foi detido no regresso de uma missão na República Centro-Africana. Mas o ex-porta-voz da PJ Militar demorou pouco tempo para avisar que se cair não cai sozinho.

Saiu ao ataque com uma defesa aparentemente inesperada ou eventualmente bem planeada, como se se tratasse de uma reviravolta na frente de uma batalha. Lança o já fragilizado ministro da Defesa para a frente do pelotão. Acusa Azeredo Lopes. Ele sabia de tudo, garante. Até entregou um memorando sobre a encenação da descoberta do material roubado de Tancos, recuperado, mais tarde, na Chamusca.

Na trincheira, onde se tem protegido agarrado à confiança já expressa por António Costa, Azeredo Lopes disse, "olhos nos olhos e de forma muito categórica", ser "completamente falso" que tenha sabido do plano engendrado pela PJ Militar para encenar a entrega das armas. E esboça a sua ofensiva.

Num piscar de olhos, deixa cair o seu chefe de gabinete, curiosamente já afastado do cargo desde janeiro. Aproveita e diz também que o CDS lhe está a fazer "bullying" político ao pedir a sua demissão.

Tudo isto é muito grave. Não haverá português algum que não o ache. Não basta falar de "embaraço". Nem do ministro da Defesa, nem da Polícia Judiciária Militar, nem da GNR. Alguém mente. E está a mentir bem.

O ministro pode nem se demitir, mas que toda esta história tem muitas pontas soltas, tem. É que, tal como terá escrito Mark Twain, "Uma mentira pode dar a volta ao Mundo, enquanto a verdade calça os sapatos". Alguém mente. Quem mente? Ou mentem todos?

SUBDIRETOR

ver mais vídeos