Opinião

Querido, mudei o Facebook

Querido, mudei o Facebook

Vá lá, não fique deprimido. Os seus amigos não foram outra vez de férias, não têm mais experiências gourmet de alto nível, nem possuem os animais de estimação mais fofos do Mundo. E também, espante-se, só festejam o aniversário uma vez por ano.

Mas habitue-se a esta falsa realidade que expõe uma felicidade quase obrigatória na vitrina da maior rede social do Mundo. O Facebook está a arrumar a casa e mostra as novas decorações no seu feed pessoal.

Desde 2016 que Mark Zuckerberg anunciou mais de 20 mudanças no algoritmo do feed de notícias do Facebook. Todas elas com um objetivo mais ou menos comum: tornar a visibilidade no feed cada vez mais competitiva e mostrar aos utilizadores o mais relevante para eles, filtrando todo o conteúdo disponível.

E agora muda de novo: o Facebook vai favorecer cada vez mais as publicações dos seus amigos e familiares secundarizando conteúdo público como, por exemplo, posts de sites de notícias e marcas, com exceção para a publicidade paga.

Na prática, as interações entre as pessoas, expressas através de gostos, partilhas, comentários, amizades, etc., serão valorizadas. E para sermos todos mais felizes, Mark Zuckerberg reduz o acesso dos utilizadores às notícias reais, à custa de uma nova forma de censura.

É assim com esta quase felicidade química, a fazer lembrar a droga da felicidade inventada por Aldous Huxley no romance "Admirável Mundo novo", que Mark Zuckerberg nos relatará o dia a dia dos nossos conhecidos, amigos e familiares.

PUB

Não há dúvidas, a casa remodelada vai propagar felicidade, mas terá certamente muito menos prestígio e credibilidade.

Talvez volte a uma nova remodelação quando receber cada vez menos convidados. Porque apesar de tanta obra, a casa está velha e não empolga os mais novos, que já preferem outros lugares onde se podem expressar melhor, como o Instragram e o YouTube.

Lugares que, pelo menos, incentivam à criatividade e à criação de conteúdo. Portanto, não se preocupem tanto com a influência negativa dos youtubers, que nos últimos dias têm sido atacados por todos os lados e estão em guerra aberta com algumas figuras públicas. As influências mais negativas são aquelas que nem damos por elas.

*SUBDIRETOR

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG