Imagens

Últimas

Manuel Reis Campos

O país real

Independentemente das leituras políticas e dos diferentes cenários que, invariavelmente, se seguem a todos os atos eleitorais, as legislativas constituem um momento de expressão máxima da nossa democracia e marcam o início de um novo ciclo político e governativo. Competirá ao novo Parlamento respeitar as escolhas do povo, mas é importante ter presente que, como tenho vindo a referir, independentemente das opções políticas, há questões de natureza suprapartidária que precisam de resposta e que não podem ficar dependentes de calendários eleitorais.

Manuel Reis Campos

Prioridade ao investimento no debate político

A última legislatura demonstrou, uma vez mais, que Portugal continua a apresentar uma crónica incapacidade para planear e executar o investimento público. A aprovação do Programa Nacional de Investimentos (PNI 2030) não se concretizou, uma vez que a Assembleia da República não concretizou os esperados consensos em torno dos projetos estruturantes. Apesar de um discurso de defesa do investimento, o melhor que este Parlamento conseguiu produzir foi uma Recomendação que não faz mais do que sugerir ao próximo Governo que "tenha em consideração" um relatório que aponta algumas obras necessárias.

Manuel Reis Campos

OE2019: Aquém do necessário

O Orçamento do Estado (OE) para 2019 foi votado e aprovado na quinta-feira na Assembleia da República. Não obstante as centenas de propostas de alteração que foram discutidas, algumas delas consideradas no texto final, mantemos que o OE2019 é um documento que não responde às necessidades das empresas, dos investidores e, muito menos, às necessidades de um país que continua a apresentar níveis de investimento público claramente insuficientes.

Manuel Reis Campos

Combate à clandestinidade na construção

Por várias vezes, tive a oportunidade de abordar a temática da clandestinidade no setor da Construção. Na verdade, este é um problema que se encontra muito longe de estar resolvido, com a agravante de se tratar de uma atividade que envolve riscos acrescidos, não só para os trabalhadores, como, de igual modo, para a segurança pública e para os particulares, cujos direitos não são salvaguardados ao contratarem empresas clandestinas.

Manuel Reis Campos

Não há dados adquiridos

O facto de termos assistido a um aumento exponencial do turismo, de termos conseguido captar investimento estrangeiro de uma forma excecional e de o imobiliário ter uma procura sem precedentes, que há uns anos ninguém pensava poder existir, não pode ser perspetivado de uma forma inabalável. Se anunciar sucessivas alterações à lei já é negativo, anunciar mudanças legislativas que podem dissipar o clima de confiança que existe no país, e em particular no imobiliário, poderá desencadear um efeito que ninguém quer enfrentar.

Manuel Reis Campos

OE"2019 para o país real

A discussão e elaboração do Orçamento do Estado para 2019, que está a entrar numa fase decisiva, assume uma importância fundamental para o futuro de Portugal. Para além das restrições financeiras a que está sujeito, continua a ser, para o setor da construção e do imobiliário, uma matriz essencial para orientar as estratégias das empresas e é a ferramenta onde se concretizam, de forma efetiva, os compromissos assumidos em matérias que são estruturais.

Manuel Reis Campos

2018: o ano para a consolidação

Consolidar é a palavra que escolho para antecipar o ano de 2018. Consolidar o crescimento económico, a diminuição do desemprego e a posição de Portugal no Mundo, seja enquanto destino do investimento externo, seja enquanto investidor nos mercados internacionais. De facto, depois de uma década perdida, em que o investimento público desceu para níveis de há 30 anos, em que o investimento privado, fruto da desconfiança no funcionamento dos mercados, se reduziu de uma forma sem precedentes, em que a Banca não foi capaz de canalizar para a economia o tão necessário financiamento, essencial para o funcionamento das empresas, e depois de 2017 ter sido um ano de viragem em grande parte alavancada no setor da construção e do imobiliário, o ano de 2018 tem de ser encarado de uma forma positiva, permitindo-se a superação, em definitivo, das dificuldades que Portugal conheceu.

Manuel Reis Campos

Investir nas cidades

A reabilitação urbana constitui uma das poucas oportunidades ao dispor de Portugal enquanto instrumento indutor do crescimento económico e da criação de emprego. Nos dias de hoje, já não pode existir estratégia para atividades como o turismo, o comércio, a indústria, a logística, entre muitas outras, sem um adequado planeamento urbano e uma visão correta e inclusiva do território, das cidades e do próprio imobiliário. Aliás, este é o grande desafio que o nosso país enfrenta. Hoje, reafirmo-o, tendo por ponto de partida uma realidade que nos é bem próxima.