Opinião

Defender a igualdade é ser contra as quotas

Defender a igualdade é ser contra as quotas

Pelos vistos, alguém fez um estudo a concluir que, nos nossos tribunais de primeira instância, 70% dos juízes são do sexo feminino. Imagino que o referido estudo também tenha acabado por concluir que os outros 30% dos juízes serão do sexo masculino. Não se riam, que esta matemática já foi mais uma ciência exata do que é hoje.

Começo por um espanto. Foi preciso um estudo para chegar a uma conclusão que qualquer amanuense do Ministério da Justiça poderia facilmente dar como informação, bastando-lhe consultar os registos oficiais? Ou terá sido uma sondagem?

Continuo com outra incredulidade. Acreditam que num espaço televisivo de opinião foi possível ouvir um comentador de créditos firmados vir dizer que agora é preciso começar a pensar em quotas no acesso à magistratura, para defender a igualdade entre homens e mulheres? Oferecendo como argumento que, se antes já fora assim com as mulheres, o que está a acontecer é que, nas idades em que se decide o acesso aos cursos superiores, as raparigas são mais maduras que os rapazes? Ouvi com estes ouvidos que a terra há de comer, como se fossem olhos.

Acabo com uma certeza. Defender a igualdade entre géneros é ser contra as quotas. Sejam elas o que forem ou para quem forem. Acho que já aqui escrevi: trabalho maioritariamente com mulheres e estou muito satisfeito com isso. Tenho pesadelos com o dia em que uma lei me condene a substituir uma das minhas queridas colaboradoras por um homem, por causa de uma imposição legal de quotas.

Tal como sempre achei ridículas todas as leis que instituíram quotas para as mulheres, mantenho a opinião perante esta eventualidade de se criarem quotas para os homens. Como homem, nunca aceitaria ter acesso a qualquer benefício ou lugar em que a minha condição de ser do sexo masculino ultrapassasse o meu mérito.

Para já não lembrar ao tal comentador que provavelmente se esqueceu de que, nos tempos que correm, não seria suficiente nem bem visto criar quotas só para homens no acesso à Justiça. E os homossexuais? E os transgénero? E os não sei que mais? E, qualquer dia, os animais......

Está ao rubro a luta entre os que acham que o mundo está perdido e os que defendem que é só um desencontro temporário.

PUB

*Empresário

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG