Opinião

Populista é a tua tia!

Populista é a tua tia!

Quanto mais viajo mais gosto e admiro o nosso presidente da República.

Ontem, em Medellín, segunda cidade da Colômbia, abriu mais uma edição da Colombia Moda. Esta feira profissional de moda, têxteis, vestuário e calçado é a maior referência do género na América Latina e Portugal está representado por dez empresas de roupa e duas de sapatos, com os apoios, respetivamente, da Seletiva Moda / ATP e APPICCAPS (e naturalmente também do COMPETE e Portugal 2020).

Tendo em conta a importância nacional e internacional do certame, que ainda inclui em pavilhões contíguos os desfiles dos melhores designers colombianos, a Colombia Moda teve ontem um visitante muito especial: o presidente colombiano, Iván Duque. Desde cedo a comitiva lusa percebeu que algo extraordinário ia acontecer porque logo no caminho para a Plaza Mayor, recinto feiral, o dispositivo e aparato policial e militar era tão ostensivo e abundante que em jeito de brincadeira até alguém comentou que podíamos estar todos sossegados que ontem ninguém seria capaz de sair da feira com uma peça alheia furtada nos stands.

Acrescente-se a este aparato de militares com metralhadoras em riste uma vigilância hiper-rigorosa no acesso à feira em que todos foram revistados e tiverem de mostrar os passaportes junto com o badge normal de expositor. Finalmente, a visita do presidente foi de um protocolo a que já não estamos habituados e a interação com as pessoas sempre tão escassa e controlada que acho que não me lembro de ter visto nada parecido em Portugal e mesmo no resto do Mundo.

A muitos milhares de quilómetros da terra pátria tive um ataque forte de saudades do país que somos, até da Europa em que vivemos, mas sobretudo do presidente que ajudei a eleger. Quem desdenha das selfies aos milhares, dos telefonemas para este ou para aquela, dos abraços e beijinhos que distribui a eito, dos mergulhos nos rios do interior ou nas praias do Guincho e dos Algarves, dos convites ao Trump e dos cumprimentos efusivos a Bolsonaro, quem lhe chama populista do alto da sua pseudoelite cultural, política e ideológica, haveria de ter estado ontem em Medellín. Talvez mudasse de ideias, talvez corasse de vergonha, porque o que eu aqui testemunhei ontem não vem nos livros que eles se gabam de ler.

*Empresário