Opinião

Paulo Rangel é "poucochinho"…

Paulo Rangel é "poucochinho"…

Rui Rio/Paulo Rangel é um combate que se vai decidir aos pontos. Aqui deixo os meus:

1. Começo por uma declaração de não interesse. Nunca fui militante do PSD (nem sequer do PPD) e não tenho nenhuma especial simpatia nem convívio pessoal com qualquer dos candidatos em disputa.

2. Tanto quanto me é dado a saber as eleições diretas para escolher o novo líder do PSD não terão vencedor antecipado porque pelos vistos vai ser uma luta muito renhida.

3. Agora uma declaração de interesse. Como já aqui escrevi estou muito interessado em que o PSD consiga uma maioria absoluta. Ou no mínimo uma maioria tal que possa conseguir um apoio maioritário no Parlamento, somados aos seus deputados os deputados do resto dos partidos da ala direita do Parlamento.

4. Nesta abrangência de apoios a que chamei ala direita, não incluo definitivamente o PAN e acho que Paulo Rangel quando admitiu que o PAN também podia ajudar a fazer a maioria deu um tiro no pé. Não me acredito que os militantes do PSD mais fofos com aos animais sejam mais relevantes que os militantes do PSD que consideram que o PAN não é um partido frequentável, muito menos coligável.

5. Nova declaração de interesses. Sou um defensor antigo da Regionalização. Registei com agrado que Rui Rio já mudou de posição e imagino eu por ter sofrido na pele os malefícios do centralismo quando foi presidente da Câmara do Porto. Registei também com muito menos agrado que Paulo Rangel defendeu publicamente que a Regionalização se poderia fazer aos bochechos, criando uma região-piloto para ver se não "dói" muito.

6. Se eu fosse militante do PSD e tivesse pago as cotas e por isso estivesse em condições de votar no próximo dia 27, só me deixaria conduzir por um único critério: independentemente de saber qual o candidato que pode ganhar o partido, votaria sempre no candidato que eu considerasse capaz de obter a maior votação possível nas legislativas de 30 de janeiro.

PUB

7. Também ao que dizem o famoso aparelho partidário estará controlado pelos apoiantes e amigos do candidato Paulo Rangel. Como me falta a tal militância partidária, não consigo perceber a influência que isso tem na maioria dos 46 mil militantes autorizados a votar. Seja como for, não me diz nenhuma sondagem, "credo!", mas diz-me o bom senso que não podem existir 46 mil militantes do PSD cujo voto só dependa do que lhe pede para fazer o chefe da secção ou o dirigente da Concelhia ou Distrital.

8. Atrevo-me a pensar que quem decidir escolher com o critério que eu escolheria vai acabar por votar pela manutenção do atual líder.

9. Para primeiro-ministro, Paulo Rangel é "poucochinho".

*Empresário

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG