Opinião

#combustão

Conhecem aqueles dias que parecem nascer marcados para que tudo corra mal? Tive um desses, há horas.

Começou por uma das gatas cair de uma janela. Mais de uma hora a chamá-la, a sentir a culpa a apertar, a calcorrear pátios, garagens e caves dos vizinhos, até alguém ouvir miados vindos de um motor de um carro e ei-la, com mais óleo do que pelo à vista. Que alívio! Virei a página. No carro, uma luz vermelha a piscar, volta a chamar o suor dos nervos. Meter gasóleo? Nestes tempos loucos? A fila, vá lá, era pequena. Atestei. Coisa pouca, que o carro é pindérico. O que não foi pouco foi o gasóleo perdido no chão, nas minhas calças e nos sapatos porque a mangueira não travou. "Avaria estranha", disse o funcionário. E eu com isso? Paguei e não bufei, porque temi que a minha necessidade de oxigénio criasse uma combustão. E não. Não é bom estar perfumada com gasóleo simples.

* JORNALISTA

Outros Artigos Recomendados