Opinião

#"guerra"

Faz-me impressão a "guerra" política entre Porto e Lisboa que, volta e meia, toma conta dos nossos dias. Não sei se é porque a vida levou a minha família a espalhar--se pelo país ou se o facto de pertencer a um clã de portuenses, lisboetas, transmontanos e beirões faz-me ver as diferenças regionais como um dom e não como um castigo. Custa-me perceber porque raio há esta necessidade de se criar um falso pódio de cidades quando, na verdade, sempre que se fala de descentralização a ideia é gritar que Lisboa "tirou" ou "não deu" coisas ao Porto, com a capital a prometer mudar tal cenário (para gáudio dos que ainda sonham com a regionalização), acabando por nada fazer quando o clima sossegar. Trata-se, afinal, de uma atitude pouco diferente da que o Porto tem com outras cidades do Norte quando se assume como "segunda cidade do país", logo merecedora de tratamento privilegiado. "Guerra" por "guerra" antes a futebolística onde a rivalidade obriga clubes a trabalharem para as vitórias. Explico a preferência: a rivalidade transforma--se em espírito fraterno quando os jogadores se juntam na seleção. Nessas alturas, somos, antes de tudo, portugueses.

JORNALISTA