Opinião

#meninas

Andei uma semana a ver páginas de associações de animais no Facebook. E a cada foto de um focinho de gato enchia-me de ternura. Cheguei a trocar mensagens com uma dessas organizações, mas a imposição de ir a minha casa ver as condições irritou-me. Bem sei que há muita gente que gosta de bichinhos bebés e, não sabendo educá-los, acabam por não gostar de ver estragos, largando-os na rua.

Acho que é o caso de um tareco preto que anda sempre a correr de um lado para o outro perto do lugar onde moro. Dou-lhe comida várias vezes e nem com essa boa vontade ele se aproxima. O olhar dele é de terror, que tanto pode ser devido a maus-tratos como de abandono. Não será este o destino de duas meninas, ambas tricolores, que, hoje de manhã, irei buscar, vindas de uma associação. São irmãs, têm dois meses e pedem colo com os olhos gigantes. A partir de agora serão as meninas lá de casa. Só falta escolher os nomes. O que me alegra é que voltarei a ouvir miados carinhosos sempre que chegar a casa, verei crescer dois seres que me reconhecerão pelo cheiro, pela voz, pelo olhar. Serão família. E tentarei que se sintam como tal. Amor não vai faltar.

Jornalista