Opinião

#empregosim

Facto inquestionável: de férias tudo parece melhor, até o ano de cansaço diário. O anterior e o que está por vir, para quem teve e tem emprego.

Escrevo propositadamente emprego, e não trabalho, porque me lembro sempre de um slogan que ouvia repetido em manifestações reportadas na televisão: "Emprego sim, trabalho não!".

Nessa altura - a infância - tinha alguma dificuldade em perceber a diferença entre os dois conceitos. Mas tudo mudou quando tive o meu primeiro emprego.

Aprendi logo a distingui-los. Afinal o emprego era um trabalho. A verdade é que não poderia ser um emprego: estava de férias e fui trabalhar para um bar de praia. Recebíamos consoante a caixa que se fizesse ao longo do dia e os patrões tinham a mania irritante de fazer vários pagamentos diários, ainda que de pequena monta, usando precisamente o dinheiro que estava na caixa. Não era muito, mas tirava rendimento aos empregados, perdão, trabalhadores. Ficava furioso com esse hábito e com outros, mas enfim, era verão e não fazia muita diferença. Trabalhei nessas férias para poder comprar um computador.

Mas há em Portugal quem tenha de suportar uma família, ou começar a vida, vindo de outro país, com estas ou bem piores condições. As notícias sobre a descida do desemprego são boas. Resta saber se tanto emprego não corresponde a mau trabalho.

*JORNALISTA