O Jogo ao Vivo

Opinião

Teremos sempre Paris

Os ranchos de trabalhadores agrícolas, que se deslocavam pelo país pernoitando em armazéns apinhados são memórias ainda muito presentes no nosso país rural. Os bailes, a gastronomia e toda a etnografia fazem parte da nossa herança cultural. Tal como a pobreza que se vivia.

A evolução dos direitos laborais, a criação do salário mínimo, trouxe dignidade e abriu perspetivas de futuro para as gerações vindouras. O elevador social arrancou.

Os portugueses conquistaram o direito de escolha e maioritariamente deixaram a lavoura, optando preferencialmente pelo setor dos serviços, turismo e restauração. Trabalhos mais leves, mesmo quando não qualificados.

Hoje, e apesar da evolução mecânica da agricultura, a necessidade de trabalho manual ainda existe em muitas culturas, desde os frutos vermelhos às seculares vinhas do Douro, berço do nosso ex-líbris vinho do Porto. Assim, o recurso a trabalhadores imigrantes tornou-se imperativo para agricultura do país.

Com a desajeitada e imponderada ação do Governo no ZMAR, o país mediático e político acordou para o que já conhecia, mas nada fez para contrariar. Explorados por redes internacionais de trabalho temporário, oriundos da miséria, milhares de imigrantes encontram trabalho no nosso país, mas não a dignidade.

Não falam a língua, não conhecem os seus direitos. Isolados e ignorados, lutam, desarmados, por um presente e futuro melhor para si e para os seus, num sentimento vivido por tantos dos nossos emigrantes. Em Paris, nos anos 50 e 60, também sofremos e sonhámos como eles. E em Portugal, já vencemos estas desigualdades e conseguimos futuro para "ratinhos", "caramelos" e "bimbos".

Olhe-se a situação de frente, fiscalize-se, cumpram-se as leis e acolham-se estas pessoas. Porque é justo. Porque os entendemos. Porque já fomos nós. Porque o nosso setor agrícola e o nosso futuro dependem, também, deles.

PUB

Engenheiro e autarca do PSD

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG