Imagens

Últimas

Nuno Botelho

O Bloco de Esquerda é perigoso

O que diríamos de um político que pretende cortar regalias fiscais que o Estado atribui aos residentes estrangeiros, limitar objetivamente a imigração? Um perigoso nacionalista, com pequenos laivos xenófobos? E o que pensaríamos acerca de um partido que apoia convictamente um regime mais ditatorial do que muitas ditaduras, que priva os cidadãos das liberdades e dos direitos básicos, gerando um êxodo de proporções impressionantes e de consequências humanitárias gravíssimas?

Nuno Botelho

CP para quê?

Ainda a maioria dos leitores não era nascida já havia um comboio a ligar o Porto a Lisboa. Chamava-se "foguete" e tinha características muito avançadas para a época. Tais como ar condicionado (que ainda existe mas hoje em dia está muitas das vezes avariado) e serviços de restaurante e de bar a bordo (atualmente, entre greves e guerras comerciais, o mais normal é não estarem disponíveis). Em 1954, o "foguete" ligava as duas principais cidades portuguesas em pouco mais de quatro horas, mas, nos anos 80, a viagem já se fazia em três. Quase o mesmo que demora hoje. O preço dos bilhetes teve um crescimento muito mais rápido, duplicando nos últimos vinte anos.

Nuno Botelho

Vários sinais dos tempos modernos

Outra vez os professores. Está de volta a mais poderosa das corporações. Ameaça sobre o Governo, pressão sobre os alunos, desorientação para as famílias. É o regresso da chantagem embrulhada no papel do sempre legítimo direito à greve. Os mais de 100 mil professores e os mais de 20 (é verdade; em bom rigor são 23) sindicatos que os representam exigem ser tratados (e pagos) como uma classe superior, acima dos restantes funcionários públicos e dos portugueses em geral. Tudo isto em período de exames, de classificações de final de ano e de concursos para as universidades. A falta de respeito, de vergonha e de brio profissional é tal que, valha-nos isso, até um Governo de Esquerda como o que temos já percebeu que vai ser preciso mexer na regulamentação das carreiras e no regime de avaliação dos professores.