Opinião

A esmagadora voz pela Linha do Douro

A esmagadora voz pela Linha do Douro

É assim que devemos classificar os resultados da petição em defesa da Linha do Douro, de que me orgulho de ser um dos primeiros subscritores. Não deixando margem para dúvidas, o resultado obtido atirou para trás o objetivo dos 4000 assinantes: 13 500 assinaturas constituem argumento de peso a favor da sua completa requalificação e reabertura.

Esta petição veio sublinhar "a relevância da Linha do Douro no quadro dos atributos que levaram à classificação do ADV [Alto Douro Vinhateiro] como Património Mundial pela UNESCO e a importância que este projeto tem para o desenvolvimento endógeno" desta região. Esta é uma zona particularmente representativa da paisagem que caracteriza a Região Demarcada do Douro.

É nesta linha que se tem enquadrado a atuação de António Marquez Filipe, presidente da Liga dos Amigos do Douro Património Mundial, que vê agora a sua convicção reforçada por uma expressão clara da vontade das populações e autarcas. Também Luís Pedro Martins, presidente do Turismo do Porto e Norte, tem contribuído com um forte apoio a esta iniciativa.

1985 e 1988. São os anos que marcam, respetivamente, o encerramento da ligação internacional e do lanço entre Pocinho e Barca d"Alva. O que daí resultou tem travado o desenvolvimento económico e social da Região do Douro. Contribui para a desertificação do interior. Não favorece o turismo, nem a sustentabilidade.

É indispensável que o projeto de reativação integral da Linha do Douro - assegurando também o investimento na ligação entre Barca d"Alva e La Fuente de San Esteban, em Salamanca -, seja incluído no Programa Nacional de Investimentos 2030.

Há que realizar este investimento a curto prazo, para bem do país e das populações da Região do Douro, abandonando de vez desculpas e adiamentos. Há que olhar de frente para as inegáveis mais-valias deste projeto, agregando dezenas de municípios do interior e integrando as populações na rede europeia. É uma oportunidade de gerar desenvolvimento e valor aos mais diversos níveis.

Que não seja este já tão longo processo um comboio perdido e arrumado na gaveta do Governo.

Empresário e Pres. Ass. Comercial do Porto

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG