Opinião

Um país, dois sistemas

Um país, dois sistemas

Não é de Hong Kong ou da China que se trata. Falo mesmo da discriminação da Área Metropolitana do Porto face a Lisboa. A história repete-se. No futebol, quando o árbitro favorece uma equipa, costuma dizer-se que o campo está inclinado. É o que se passa com Portugal em matéria de política de transportes.

O Governo - através de António Costa e Matos Fernandes - anunciou com pompa e várias repetições o lançamento do passe família (no valor máximo de €80 para um agregado de quatro pessoas) e do Sub 13 (gratuito para todas as crianças dos 4 aos 12 anos), para as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto.

Quer isso dizer que o leitor e os seus filhos podem deslocar-se de metro com o dito passe família? Errado. Não podem. E os seus filhos ou sobrinhos têm um Andante gratuito? Azar. Outra vez errado. Existe passe família em Lisboa. No Porto não. Existe passe Sub 13 em Lisboa (gratuito e que permite viajar em todas as zonas). Não existe Sub 13 na Área Metropolitana do Porto (a exceção é o concelho do Porto, cuja Autarquia disponibiliza o Sub 13 e criou também o 13-15 (grátis para estudantes residentes na cidade).

Isto é, só pode ser, chocante e revoltante. Até porque a questão que se coloca é a da continuada discriminação negativa do Norte face à capital. O Governo toma medidas e faz anúncios. Em Lisboa os cidadãos beneficiam das medidas (que são claramente positivas). No Porto apresentam-se umas desculpas técnicas e acaba por não suceder nada. O que, no caso, representa privar as famílias de uma poupança não inferior a 40 euros mensais. O escândalo não é só o dinheiro em causa. O escândalo é a passividade geral perante a penalização recorrente desta região.

Por isso e porque enquanto presidente da Associação Comercial do Porto tenho responsabilidades, hoje mesmo escrevi ao primeiro-ministro questionando-o sobre o porquê desta discriminação regional. Não sou político, não tenho partido nem participo na campanha eleitoral. Mas gostava de ter uma explicação para a injustiça. Como muita gente, gostava de perceber.

*Empresário e Presidente da Associação Comercial do Porto