Opinião

Dia de Marx, de Lenine e das comunidades trotskistas

Dia de Marx, de Lenine e das comunidades trotskistas

Quando sobre o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, Catarina Martins escreve que "virá o dia em que os discursos oficiais serão capazes de reconhecer a enorme violência da expansão portuguesa, a nossa história esclavagista, e a responsabilidade no tráfico transatlântico de escravos", só repete a ligeireza irresponsável com que a propósito dos incêndios que devastaram o país em 2017 comentou, no Twitter, "que venha a chuva, bom dia". Não tem noção.

Apoucando nove séculos da história extraordinária de Portugal, que a partir dos Descobrimentos no século XV nos levou a todos os cantos do Mundo e deu corpo à primeira globalização, resumindo-a a uma única realidade, que por acaso os compêndios já registam, mas avalia desenraizada do tempo e das circunstâncias - a escravatura, obviamente hedionda, era prática à escala global, mesmo em África, entre africanos -, o BE mostra-se disposto a reduzir o que seja à minudência dos seus preconceitos ideológicos. Vale para o absurdo com que querem chamar de "viagem" ao museu dos descobrimentos, como se a semântica alterasse os factos. E nem o padre António Vieira escapa, acusado em manifestações ridículas de ser um símbolo do racismo, apesar de mestiço pelo lado materno, ter defendido os direitos dos índios e ter criticado a Inquisição, quando a temeridade poderia custar a vida.

PUB

Se Catarina Martins quer exibir complexos de culpa póstumos, achando que assim se mostrará maior aos olhos dos outros, comece por assumir os crimes abomináveis dos regimes comunistas, que ponderada a paternidade marxista-leninista da UDP e trotskista do PSR, defenderam e ainda nos anos 70 quiseram para Portugal. Da URSS à República Popular da China, passando pelo Camboja, Coreia do Norte e Cuba, não lhe faltarão exemplos de homicídios em massa, detenções por delitos de opinião, tortura, campos de trabalho forçados e lavagens ao cérebro. Sem surpresa, a esquerda-net guarda o texto laudatório de Hugo Chávez, digno de quem gravita num universo paralelo, que diz que "enquanto na Europa a democracia está a falhar, na Venezuela a democracia participativa tornou-se num sinal de identidade".

Se o velho do Restelo simboliza os que antecipavam o fracasso da epopeia dos descobrimentos, com o espírito da extrema-esquerda nos primórdios da nacionalidade não teria havido S. Mamede, ou Aljubarrota e nenhuma nau ou caravela teria zarpado do Porto, Lisboa ou Sagres. Camões não teria escrito Os Lusíadas. E com Pessoa, seguramente não diríamos que "a minha Pátria é a língua portuguesa".

* DEPUTADO EUROPEU

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG