Imagens

Últimas

Paula Ferreira

Andantes sem rede

Faltam poucas semanas para o quotidiano voltar à normalidade, passando as férias a uma doce recordação. E a expectativa existente sobre a possibilidade dos custos com transportes virem a ter menor impacto no orçamento familiar não se cumprirá ainda. Pelo menos para quem vive na Área Metropolitana do Porto (AMP), onde pouco mudou desde a implementação de uma das principais medidas desta legislatura: o programa de redução tarifária nos transportes públicos.

Paula Ferreira

Greve com efeitos mínimos

De S. Bento surge uma dramatização que o país não está a sentir. António Costa desdobra-se em reuniões, o presidente da República chama o primeiro-ministro a Belém, e o dia termina com um Conselho de Ministros extraordinário, onde é decretada a requisição civil. Quem chegue a Portugal vindo de outra parte achará que aconteceu uma catástrofe. É falso. São apenas dois setores, o dos motoristas de transporte de matérias perigosas e o dos de transporte de mercadorias, que convocaram uma greve: para grande parte dos portugueses, apesar da dramatização, ainda não fez estragos.

Paula Ferreira

Caixa de Pandora

Mais do que saber para que serviu a Caixa Geral de Depósitos (CGD) durante os últimos anos, importa esclarecer o silêncio, a passividade, de quem tinha o dever de garantir que o banco público cumpria as suas obrigações e não o fez. O relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito à CGD, ontem entregue no Parlamento, não deixa margem para dúvidas. Tanto o acionista (ou seja, o Estado), como a entidade com a missão de supervisionar as decisões tomadas pelos sucessivos administradores (o Banco de Portugal), pouco ou nada intervieram. Demitiram-se, portanto, do seu papel.

Paula Ferreira

Viver com o mar aos pés

Centenas de casas e dezenas de equipamentos ao longo da costa, entre Caminha e Espinho, têm o destino traçado. Para concretizar a medida, serão gastos milhões de euros nas demolições. O argumento é o evidente avanço do mar e a salvaguarda das populações. A iniciativa poderá ser polémica. Quanto ao avanço do mar, é um fenómeno notório: só não vê quem não quer. Basta uma caminhada ao longo da costa para se verificar os efeitos que, ano após ano, o oceano provoca.

Paula Ferreira

O Holocausto existiu

"Aqueles que não recordam o passado estão condenados a repeti-lo". A frase do filósofo espanhol George Santayana acolhe os visitantes à entrada de um dos pavilhões do antigo Campo de Concentração de Auschwitz, na Polónia. Auschwitz tem o mérito de preservar a História, cumpre a função primordial de nos obrigar a assumir o compromisso de não esquecer a brutal ignomínia de que o homem foi capaz. Não esqueçamos, pois só assim impediremos novas derivas hediondas.

Paula Ferreira

Os voos sem plano B

O Governo assinou um protocolo de entendimento com a ANA, a empresa concessionária dos aeroportos nacionais, para a expansão do aeroporto de Lisboa. O acordo firmado pelo primeiro-ministro, António Costa, e pelos mais altos responsáveis da empresa aeroportuária, detida pelos franceses da Vinci, não deixa margem a dúvidas: a decisão está tomada. E sem recuo, mesmo sendo ainda desconhecidos os impactos ambientais que o alargamento da Base Aérea do Montijo provocará numa área sensível, junto à Reserva Natural do Estuário do Tejo.

Paula Ferreira

As escolhas do Estado

Podem os portugueses confiar no Estado como garante de segurança? Como entidade zeladora dos interesses e bem-estar dos seus cidadãos? A demissão de um diretor da CP deve fazer-nos pensar sobre o assunto: revela bem o ponto a que chegaram os nossos serviços públicos. Pontes Correia terá sido exonerado por manifestar discordância em relação à decisão da administração de prolongar a atividade do material circulante antes de seguir para a manutenção. O diretor da CP terá alertado para o risco que tal medida poderia representar na segurança dos passageiros. Foi afastado.

Paula Ferreira

Tragédia arcaica

Duas crianças e três adultos foram encontrados sem vida num casebre em Trás-os-Montes. No Portugal do século XXI, no país que oferece 110 milhões de euros para a Web Summit ficar em Lisboa durante uma década, e se apresenta no exterior com a tecnologia como bandeira. Nesta terra, afinal, as mais básicas condições de vida estão ainda por conquistar. Cinco pessoas, entre as quais duas crianças, perderam a vida porque, na falta do essencial, recorriam a um gerador para ter energia no local onde habitavam. Chamavam-lhe casa, embora não fosse uma casa.

Paula Ferreira

As questiúnculas de Rio

José Silvano é secretário-geral do PSD, o maior partido da oposição, tem alternado no poder e aspira voltar à liderança do país. Por isso, Silvano anda por Portugal, na companhia do presidente dos sociais-democratas, em sucessivas reuniões. Sem grande tempo, portanto, para exercer as tarefas de deputado. Por tal motivo, o melhor seria renunciar ao cargo na Assembleia da República, e, assim, evitaria a caricata situação de pedir aos seus colegas deputados para assinarem o ponto por ele.