O Jogo ao Vivo

Opinião

A democracia a ser testada

A democracia a ser testada

O Partido Socialista ganhou as eleições regionais nos Açores. Devia festejar. Não tem razões para isso. No seu último mandato - foi eleito pela primeira vez em 2012 -, Vasco Cordeiro corre o risco de não conseguir formar Governo. O mesmo aconteceu a Passos Coelho no continente, em 2015. Os papéis invertem-se, portanto. Enquanto no continente a Esquerda conseguiu fazer uma coligação parlamentar de apoio ao Governo de António Costa, no arquipélago dos Açores esta opção está neste momento do lado do PSD, se o socialista Vasco Cordeiro falhar a formação de novo executivo.

Irá José Manuel Bolieiro partir para negociações com os partidos da Direita para chegar ao Governo Regional? Essa deve ser a vontade do atual presidente da Câmara de Ponta Delgada, com mandato suspenso. Se for coerente, no entanto, Bolieiro continuará a fazer política na Oposição. Na passada sexta-feira, em declarações à RTP, o candidato social-democrata deixou claro que na possibilidade de chegar ao poder, através de uma coligação com apoio parlamentar, rejeitaria um eventual apoio do Chega. "Não me sinto vocacionado para condicionar o meu projeto político de governação dos Açores com aproximação ao populismo".

De sexta-feira para a noite de domingo, o discurso de Bolieiro sofreu uma pequena mas significativa alteração. "Posso garantir-vos humildemente a minha total disponibilidade para o diálogo, para a concertação, e não haverá nenhuma declaração unilateral sem antes interpretarmos a vontade do povo". O poder está a dois passos, melhor, a dois deputados eleitos pelo partido Chega. A tentação será enorme. Bolieiro conseguiu em condições adversas um excelente resultado eleitoral, na medida em que, após duas décadas, os socialistas perdem a maioria absoluta. Mas para chegar ao poder não chega ao PSD fazer acordos com o CDS (três deputados), com a Iniciativa Liberal, o PPM e a coligação CDS/PPM, no Corvo (um deputado cada). Aguarda-se a posição de Bolieiro. Se optar pela coerência ganha, sem dúvida, o PSD e ganha a democracia.

*Editor-executiva-adjunta

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG