Opinião

Apenas uma questão de estratégia

Apenas uma questão de estratégia

António Costa, no encerramento do Congresso dos socialistas, deixou a garantia de não ressuscitar o Bloco Central. Os que estão habituados a leituras políticas veem nestas palavras uma meia-verdade, que as circunstâncias pós-eleitorais poderão desmentir. Seria dramático, todavia, para a credibilidade da política e dos políticos. É bom que António Costa esteja mesmo a falar verdade, independentemente de muitos, mesmo no interior do PS, considerarem importante um entendimento ao Centro. Neste caso, seria a que resta da pouca credibilidade da política a sofrer um novo golpe. Os portugueses cansaram--se de meias-verdades. Não é mais tolerável garantir uma coisa na campanha eleitoral e, instalado no Poder, apresentar outra bem diversa.

O desafio foi lançado. António Costa assumiu a rutura com a Direita como "um fosso ideológico, cultural e civilizacional". Está nas mãos dos partidos de Esquerda fazerem a sua parte, para não dar ao líder socialista a desculpa do regresso ao centrão. O PCP e Bloco, como lembrou Costa, não podem insistir na posição cómoda de serem apenas vozes de protesto. O país está na encruzilhada, é preciso unir as águas.

Aapresentação pública do plano estratégico da PT, marcada para hoje, foi cancelada. Surpresa? Nem por isso. A estratégia mudou de campo. A incógnita, agora, é saber-se em que se vai transformar uma empresa, tida como estratégica para Portugal e para a língua portuguesa, entretanto vendida - num "grande negócio" - à brasileira Oi. Para a Oi, seguramente, será um bom negócio. Os franceses da Altice ultrapassaram a Semapa de Pedro Queirós Pereira e apresentaram uma proposta de 7,4 mil milhões de euros pela operadora que detém a MEO. Os brasileiros livram-se, assim, de um negócio que se transformou numa dívida.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG