Opinião

Oi Portugal. Adiós?

A comunidade brasileira representa a maior comunidade estrangeira a viver em Portugal, sendo completamente notória a quantidade de brasileiros, turistas e imigrantes, a circular e viver nas nossas principais cidades. O Porto é disso exemplo.

Mas, o que procuram os "novos" brasileiros que deixam o Brasil, terra cheia de riquezas, povo acolhedor e tantas "oportunidades"? O que estão estes imigrantes a descobrir de tão valioso em Portugal?

Neste momento, os brasileiros que escolhem Portugal para viver procuram três coisas que estão para lá de quaisquer outras vantagens, pois apenas aspiram ao mais básico que um ser humano busca: paz, segurança e futuro!

A recente reportagem da SIC sobre o tema foi especialmente impressiva, ao trazer ao tema os filhos, o medo e a insegurança de (sobre)viver no Brasil.

A solução encontrada pelos brasileiros é, simultaneamente, uma oportunidade feliz para Portugal, pois são especialmente visíveis na nova vaga de imigrantes brasileiros elevadas qualificações e meios de subsistência, que lhes permitem viver sem sobressaltos e otimismo (oxalá contagiante) em Portugal. Ademais, se pensarmos que se verifica uma saída de centenas de milionários do Brasil com destino ao "país irmão", mais relevante se torna esta imigração qualificada e preparada para viver e investir no nosso país. Saibamos nós acolher e valorizar estes "novos vizinhos" e terá pleno sentido a expressão "país irmão". Usando uma expressão brasileira, eu "boto fé" nessa oportunidade.

Mas, quiçá por contraponto, a esta reflexão junto outra, de sinal contrário.

Também temos portugueses a viver com medo, insegurança e sem futuro na Venezuela. E, em relação a estes, temos deveres especiais de solidariedade e acolhimento. As dramáticas circunstâncias em que se encontra a nossa comunidade na Venezuela exigem de Portugal uma postura ativa e discreta, mas consequente. E, partilhando do alerta do nosso presidente da República quanto à necessidade de discrição, faço votos para que o manto de discrição exigível não encubra um retrato de inoperância. Aguarda-se o que o Governo venha a revelar sobre o assunto. Mas o tempo está a correr e a angústia a aumentar.

P.S. Declaração de interesse: sou casado com uma cidadã brasileira e um apaixonado confesso do imenso Brasil de futuro adiado.

DEPUTADO