Opinião

PSD: entre a oposição e a colaboração

PSD: entre a oposição e a colaboração

Se há tema em relação ao qual o PSD e o seu líder têm sido claros, é no que respeita ao posicionamento do PSD em momento de pandemia: "Seremos solução e não oposição".

Estas declarações (e outras de idêntico significado) provocaram surpresa nuns e desagrado noutros.

Alguns, mais habituados à política do "mais do mesmo", apressaram-se a dizer que "as coisas" não se fazem assim... O Governo está fragilizado perante a enormidade do desafio, é um Governo sem maioria, a urgência vai provocar o erro e o disparate, enfim, que "boa" oportunidade para as oposições!

Mas, do Partido Social Democrata, fundador da Democracia, um grande partido com vocação de governo e única verdadeira alternativa à esquerda (com ou sem geringonça), espera-se um pouco mais do que a gula tática do momento ou a gritaria "histérico-reivindicativa", mais típica de quem nunca soube o que é governar e fazer escolhas que impactam a Vida dos portugueses e projetam o Futuro coletivo.

Primeira surpresa de alguns: o PSD prometeu e cumpriu! Apoiou o Governo nas medidas justas, ajudou a melhorar outras e fez "parede" às propostas populistas e oportunistas dos demais partidos.

Aparentemente, quem ganhou com esta atitude assumida e consequente do PSD? Ganhou certamente o país, o Governo de Portugal e as sondagens do PS (dizem...). Quem perdeu? Neste momento, aparentemente, terá "perdido" o PSD (dizem...). Perdeu mesmo?

Antes de mais, preferiria que ganhasse o país e perdesse o PSD que o seu contrário. Imagine-se só o que seria o PSD, em ataque feroz ao Governo, apontando todas as falhas (grandes e pequenas) de cada ministério, em aliança constante com as propostas da restante Oposição e, até, a votar contra o Orçamento Suplementar! Com alguma "sorte" (!?), até caía o Governo, em pleno estado de calamidade. Acham que seria fantástico? Fantástico para quem? Para Portugal, neste momento não, certamente.

PUB

Por outro lado, acredito que é possível ganhar sem hipotecar a palavra dada, é possível ganhar sem prostituir convicções e princípios, é possível ganhar colocando Portugal à frente!

Mas, então, o PSD "ousa" pensar que chegará às preferências dos portugueses pela coerência, seriedade de princípios e sentido de responsabilidade à volta de um projeto de futuro? Sim. Queremos ser a verdadeira alternativa e não mera alternância.

Temos orgulho no nosso passado e estamos habituados a retirar o país de onde o PS o deixa enterrado, invariavelmente. Será assim no futuro, mas não agora.

Deputado do PSD

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG