Opinião

#bagaço

Porventura pressionada pela horda de turistas que desagua como uma praga bíblica (no bom sentido económico, calma) em território nacional, e alertada para o desejo incontrolável dos portugueses em aderirem à causa da mobilidade limpa, a PSP lançou uma investida musculada junto dos utilizadores de bicicletas e trotinetas.

Uma operação nacional de grande envergadura que mais parecia de combate ao narcotráfico. Nada mais nada menos do que 1109 polícias a perguntar por capacetes e joelheiras. Na amálgama de números produzidos ( 528 autos de contraordenação, 618 infrações, 1472 bicicletas e trotinetas fiscalizadas), avulta uma revelação-choque.

Metade dos 12 cidadãos detidos conduzia sob o efeito do álcool. Certamente uma imagem memorável esta: polícias armados a pedir a ciclistas para meterem o veículo no descanso para poderem soprar ao balão. Sou capaz de apostar que todos justificaram a condição ébria com o elevado preço dos combustíveis, em comparação com o das bebidas espirituosas, lembrando que o bafo a bagaço, ao contrário da fuligem do diesel, é não poluente.

*Jornalista