Bancada JN

A nossa alma não está à venda

A nossa alma não está à venda

Há quem assegure a inevitabilidade da venda da maioria do capital das SAD dos clubes a um investidor. Em termos simples, os sócios do clube deixarem de ser os decisores do destino da organização e esse lugar ser ocupado por um qualquer milionário ou empresa.

Não me é indiferente o destino dos outros clubes, fazem parte do nosso Mundo e em larga medida o que estruturalmente acontecer aos outros acabará por ter influência no meu.

Admito que uma espécie de clubes possa sobreviver razoavelmente sem que os sócios sejam fundamentais, que quem lhe deu a alma passem a ser meros fãs de uma companhia que tratará a equipa de futebol como mais um projeto empresarial em que o importante não são os títulos e as glórias mas ganhar dinheiro. É lá com eles.

O F. C. Porto não sobreviveria a isso. O brasão abençoado é o repositório de um conjunto de valores, de referências afetivas, de uma umbilical ligação a uma região e a uma cidade. O que faz a nossa força é tão simplesmente isso. No momento em que um qualquer milionário decidisse o futuro desse património, essa ligação esvanecer-se-ia. Deixávamos de ser nós a estar em campo para serem uns empregados do milionário. Além do mais, tenho eu o direito de vender a parte mais importante do clube? Que respeito mostraria eu pelos meus irmãos que já morreram e pelos que me substituirão no futuro na bancada?

Quem fala do investidor que traria milhões esquece-se logo de que noutro lugar qualquer outro fará o mesmo, em mercados mais fortes e zonas mais ricas. Com dinheiro nunca poderemos competir, com ou sem um qualquer Cresus. Os sócios são o clube e o clube são os sócios. Não podemos vender a nossa eternidade por um prato de lentilhas.

A novela Jesus é mais triste do que parece. Vieira deixa o seu clube refém de um treinador. Deve ser por menorizar o seu próprio clube que um jornalista de "A Bola" acha o presidente do Benfica um inequivocamente melhor do que Pinto da Costa, o nosso nunca faria isso. O ridículo não tem limites.

O F. C. Porto fez uma bela exibição contra o Belém SAD. Além da vitória, foi de encher a alma ver três rapazes da nossa formação cheios de personalidade e classe. Um abraço especial ao Fábio Vieira pelo golo, que seja o primeiro de muitos.

Adepto do F. C. Porto

Outras Notícias