O Jogo ao Vivo

Bancada JN - Brasão abençoado

Do regime e da propaganda

Do regime e da propaganda

Não posso garantir que Tiago Brandão Rodrigues tenha dito que o Benfica está acima da lei, que tenha afirmado que não se podem tratar todos os clubes do mesmo modo com o argumento de que o clube de Lisboa tem mais adeptos do que a população de alguns países.

Há quem assegure que sim, mas ele nega. Também não posso jurar que tenha havido ordens expressas de pessoas do Governo para ser tolerante com a falta do cumprimento da lei pelo Benfica e entidades ligadas ao clube.

Digamos apenas que os indícios são muitos e que se isto tudo fosse verdade me espantaria tanto como chover no inverno. Melhor, não sei se as pessoas em causa disseram e fizeram aquilo de que são acusadas, mas não tenho nem um pingo de dúvidas que muitíssimas decisões das mais diferentes autoridades têm mostrado que o Benfica neste país está acima da lei e tem um tratamento especial.

Não é de agora. O Benfica passou de clube do regime para o clube dos seis milhões. No fundo, uma adaptação perversamente democrática ao regime saído do 25 de Abril.

Durante a ditadura era um privilégio imposto (o Eusébio não podia sair para o estrangeiro, a ponte sobre o Tejo inaugurada pelo Coluna etc., etc.). Agora é repetindo incessantemente que se tem muitos adeptos para condicionar e deturpar o sistema democrático, para que o decisor pense duas vezes antes de decidir contra os tais milhões, mesmo contornando a lei. E convém lembrar que a democracia não é o império da maioria, é o império da lei.

A propaganda para tentar condicionar não é uma coisa muito decente, mas é legítima. Resulta se o poder político for frágil e se quem é prejudicado não estiver alerta. Mantenhamo-nos acordados.

A subir

PUB

Há um setor no futebol português que não conhece crises e que cresce de forma pujante todos os anos: a intermediação. Segundo um estudo do CIES, entre 2018 e 2019, os seus custos cresceram quase 20%, na linha aliás dos anos anteriores. O estranho é isto coexistir com as brutais dificuldades dos clubes.

A descer

Eu bem sei que a seleção nacional é campeã da Europa e ganhou a coisa das nações, mas sempre que vejo jogar aquela equipa fico espantado como o diabo de um conjunto de tão espantosos jogadores resulta numa equipa que até aflige de tão mal jogar.

*Adepto do F. C. Porto

Outras Notícias