A abrir

Os gauleses do PCP

A saída de Portugal do euro é um tema pouco prometedor para quem anda à caça de votos. Bastariam as imagens de pensionistas em pânico à porta dos bancos gregos, as filas permanentes junto dos multibancos, a desagregação económica, social e agora política da Grécia, para desmotivar até um adicto em temas fraturantes. E não será portanto surpreendente que, até outubro, todos os partidos portugueses fujam desse debate como o Diabo da cruz.

Todos? Não. Como quase sempre, os irredutíveis gauleses do PCP enfrentam os tabus sem medo. E não é, como já se percebe, por razões eleitoralistas. Tão-só porque - como reforçou o secretário-geral comunista, em entrevista ao JN - seria "criminoso" não preparar esse cenário. Sobretudo quando, como ficou evidente na tragédia grega, a expulsão do euro pode depender de um capricho alemão despachado numa dúzia de linhas de uma folha A4, durante uma reunião do Eurogrupo.

"Não preparar o país e não estudar as consequências de uma saída significa desarmar Portugal", avisa Jerónimo de Sousa. Premonição indiretamente confirmada por Alexis Tsipras, ao reconhecer que a situação no seu país chegou a um ponto tal que, mesmo que o quisesse, a Grécia já não tem dinheiro em caixa nem para sair do euro e voltar à dracma.

Significa isto que o PCP tem razão quando acrescenta que a saída do euro pode ser a melhor opção para Portugal? Não sendo especialista, respondo com alguns alertas feitos em tempo por Eugénio Rosa, economista e também comunista: "Como assegurar o poder de compra das poupanças de milhões de portugueses? (...) Como evitar que a dívida das famílias (credito à habitação) se transforme num instrumento de ruína para centenas de milhares? (...) Como evitar a implosão do sistema financeiro fundamental para funcionamento normal da economia?"

Como se lê, temas depressivos para campanhas eleitorais que se querem cheias de esperança, mudança ou estabilidade. Acontece que evitar essa discussão, no momento em que todas as luminárias, da direita à esquerda, da Lapónia à Sicília, do cabo da Roca a Vilnius, assinalam que estamos a assistir ao princípio da desagregação da zona euro, ou fugir ao assunto com afirmações simplórias do género "Portugal não é a Grécia" não chega.

Infelizmente, as campanhas eleitorais servem menos para debater o futuro do país e mais para repetir, até à náusea, três ou quatro frases feitas. É mais glamoroso e eficaz prometer a devolução da sobretaxa do IRS, ou a descida da taxa social única. E é por isso que é importante dizer - concorde-se ou não com uma eventual saída do euro - que pelo menos os comunistas, tal como se disse dos gregos, depois do referendo, pelo menos os comunistas, dizia, têm-nos no sítio.