Opinião

A guerra chegou aqui

No princípio, seria apenas mais um conflito que tomava conta da agenda mediática e nos invadia os lares nas capas dos jornais e nas reportagens dos noticiários.

Talvez pela maior proximidade, o repúdio que sempre merece qualquer guerra transformou-se numa onda de solidariedade com a causa ucraniana, saltando para as nossas ruas e praças e para o mural das redes sociais, com palavras de indignação pela invasão arbitrária e de apoio às suas vítimas diretas.

Pragmaticamente, as menções amigas rapidamente se converteram em ações concretas, na mobilização de inúmeros bens e meios remetidos para solo ucraniano e no desenvolvimento de iniciativas coletivas de resgate e acolhimento de refugiados.

PUB

Do Norte ao Sul do País, por todos os cantos da Europa, sucederam-se as iniciativas similares, muitas vezes pautadas pelo voluntarismo de quem esquece que este acolhimento pleno não se pode cingir a um punhado de dias, mas pode prolongar-se por várias semanas ou meses. E que jamais podemos defraudar as expectativas de que o novo destino é um porto seguro para todos quantos foram obrigados a abandonar as suas casas para salvar as suas vidas, ou apenas para garantir o bem-estar dos que lhes são próximos.

Com o passar dos dias, ao desafio da integração destes cidadãos em cada uma das comunidades, acresceram novos e mais relevantes impactos.

De uma forma vincada, no aumento do custo dos combustíveis, com reflexos diretos nos transportes individuais e coletivos, mas consequências igualmente graves sobre os custos de transporte da generalidade dos bens.

Noutra dimensão, na dificuldade de acesso ou no encarecimento de diversos bens alimentares e no corte da cadeia de abastecimento de várias matérias-primas, com especial impacto sobre o setor da construção civil.

Em qualquer dos casos, resultando num impulso inflacionista que pode acelerar a subida das taxas de juro e contribuir para um ciclo recessivo de dimensões ainda incontroláveis.

E por mais que se diga que os efeitos nestas esferas do conflito militar ainda estão longe de se efetivar, não há nada mais racional no comportamento dos agentes económicos que a antecipação da evolução futura da realidade.

Para quem agora esperava encetar uma célere recuperação da pandemia, até a capacidade de concretização dos Planos de Recuperação é posta em causa.

Nestes tempos de tantas ameaças, também económicas e sociais, os governos europeus voltam a ser colocados perante o desafio de assegurar uma resposta conjunta, que mitigue os impactos para as suas populações da guerra que hoje já todos vivemos.

Presidente da Câmara de Braga

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG