Opinião

Ah Valente!

Apesar do peso sufocante do Estado, há sempre quem insista em que faça mais, qualquer coisa mais, para vencer a crise. Preferia que o Estado deixasse de tentar ajudar, a não ser cumprindo bem as funções que exclusivamente lhe cabem. Se se constatam tantas falhas em serviços essenciais, tão grave falta de recursos, é inaceitável que disperse a atenção por outras áreas, com prejuízo de prioridades mais altas.

Por exemplo, para quê agitar agora o ambiente escolar, destruindo eventualmente organizações que estão a funcionar bem, só para que escolas públicas substituam privadas? As privadas em causa não estão a prestar adequadamente o serviço público? Se não estão, por que razão não foram já encerradas? Ao contrário, se há resposta suficientemente boa da sociedade civil neste campo, para quê procurar um duvidoso óptimo antes de resolver o que está comprovadamente mal noutros que não são assumidos por ela?

Ainda mais flagrante é a eterna insistência do Governo em actuar na área da economia, com intervenções dirigidas às PME, à exportação, à agricultura, aos "clusters" mais diversos, ao emprego, às mulheres, aos jovens... Insucesso atrás de insucesso. Receio que esta postura tenha origem nas frustrações de quem é gestor assalariado, quando gostava de ser empresário ou empreendedor social mas não tem perfil nem coragem para isso.

A Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas, sexta-feira dia 18 no Porto, vai desafiar a iniciativa privada para a reabilitação urbana "low-cost". Como sempre, o mais difícil é encontrar detentores de capital próprio com abertura de espírito para estudar um negócio novo. Valente de Oliveira afirmou há dias, contra todas as evidências, que é simples obter capital para pequenos projectos. Espero que ele compareça, estou ansioso por aprender.