Opinião

Sociedade instantânea

Sociedade instantânea

Tenho defendido que os principais problemas do país são um sistema de justiça anedótico, leis e regulamentos perfeitos para sabotar uma vida normal em sociedade, e também o peso mastodôntico do Estado.

Receio agora ter de acrescentar mais um: o facto de não se dar tempo ao tempo. "Devagar, que temos pressa". Vivemos num mundo que aspira a ser instantâneo, movido por acções de efeitos imediato. Desesperados com as contrariedades, perdemos a persistência junto com a paciência. Concentramo-nos no presente, no território próximo, nas pessoas conhecidas. Daniel Innerarity esta semana em Serralves, numa convergência (aparentemente sem que ele se tivesse apercebido disso) com a visão do mundo de Bento XVI, referia o "triunfo das insignificâncias", a "tirania do presente", a "expropriação do futuro" que fazemos às gerações vindouras na ausência de quem as defenda. Sugeria ele então uma "colectivização intergeracional do tempo", estendendo a atenção do nosso próximo (no sentido bíblico) também ao "nosso longínquo". Uma instituição milenar como a Igreja Católica compreende bem que há tempo para além do nosso tempo.

Não podia este tema vir mais a propósito da situação de Portugal. Perante um Executivo moribundo, devemos ter a prudência de recusar um amanhã que hipoteque o depois de amanhã. Há um tempo para ajudar o Governo e um tempo para substituir o Governo. Cada coisa a seu tempo. Os efeitos de curto prazo nos mercados internacionais, perante um sufoco de tesouraria do país, recomendam até um aumento de impostos. Por uma vez, acredito nos especialistas. Mas não me vou esquecer de lhes lembrar que esse aumento é temporário porque temos pressa do futuro que ainda não houve tempo de construir. Deixemos a tempestade financeira acalmar. Vai ser aí que o Governo termina o seu tempo.

ver mais vídeos