Opinião

Um chuto na mãe

No pequeno mundo de quem é alheio aos mexericos sobre celebridades, pícaras ou não, aterram ocasionalmente notícias espantosas. Contava-se há dias que Cristiano Ronaldo se afirmava decidido a impedir que a mãe do seu filho voltasse a vê-lo, já que o tinha "vendido". Custa ver um extraordinário jogador de futebol revelar ser tão imaturo mas, talvez para lembrar a humildade da natureza humana, é frequente o notável desenvolvimento de alguns dons prejudicar a superação das limitações que com eles coexistem.

Atendendo às imperfeições individuais, as sociedades foram criando mecanismos que nos permitem viver em alguma harmonia. Há leis que regulam o exercício do poder paternal. O sistema de Justiça não pode ser conivente quando uma criança é tratada como objecto propriedade dos pais, que estabelecem um contrato (portanto inválido) sem qualquer consideração pelos direitos do filho. Neste caso não me preocupam os pais, somente o filho. Um filho deve poder conhecer a mãe, agora arrependida do negócio. O resto mete nojo.

Este menor tem a mãe que lhe calhou e tem direito a ela, seja ela oportunista ou apenas jovem inconsciente; ter pais irresponsáveis não o diminui. Não é "vendeu, está vendido". Isto faz-me lembrar o tempo em que os filhos de senhoras de virtude duvidosa eram considerados menos dignos, como se tivessem culpa dos erros de quem os gerou!

Preocupa-me também a educação do miúdo, que agora será assumida em "outsourcing" pela família do pai, não pelo pai! Duvido que a mãe, dados os precedentes, tenha capacidade para o fazer sem acompanhamento competente. Talvez, caindo em si, ambos cresçam junto com o seu filho e provem, eles sim, ser dignos dessa bênção. Senão, que a Justiça não se afunde em medidas que "paralisam o efeito suspensivo" de outras, como ouvi num telejornal.