Coração de leão

O meu tio Quim

Eram quatro irmãos: O meu pai, duas tias e o meu querido Tio Quim, a "ovelha negra" da família. Nascido num quarto da Lapa, fui com dois meses para a Rua da Esperança, na Madragoa, morar com a minha avó, que tinha um cão e um gato, ambos com coleiras com o emblema do Sporting! Comecei a ver o emblema dos leões muito cedo na vida.

O tio Quim foi o meu maior amigo do coração. Com quatro ou cinco anos comecei, de mão dada com ele, a ir ver os jogos do Sporting. O meu tio era um vagabundo, não tinha morada certa, abandonado pelos irmãos, preso várias vezes porque odiava a ditadura, só tinha um grande amor na vida: eu!

Fazíamos longas caminhadas até ao campo do Sporting, interrompidas pelas paragens em tascas onde me dizia: "Fica aqui à porta, que o tio vai afogar as mágoas!". E ouvia-o dizer, ao balcão: "Um tinto de dois, se faz favor". Nunca bebeu "penáltis", nem copinhos de três. E, chegados ao campo, lá íamos ver o nosso grande clube, em pé. Naquele tempo não tínhamos direito a lugares sentados porque éramos pobres! Com o correr do tempo, eu já com sete ou oito anos, comecei a compreender aquele grande amor pelos "lagartos": Eram os "cinco violinos", e as cabazadas que dávamos ao Benfica, ao F. C. Porto, ao "O Elvas": Jesus Correia, Vasques, Peyroteu, Travassos, Albano, Canário, Manuel Marques, Carlos Gomes, um festival de bola! E, Domingo à noite, jantávamos na sede do Sporting, na Rua do Passadiço, que até tinha um porteiro fardado "à general"! Noutra mesa, lá estavam o Travassos e o Vasques, sempre juntos. O jantar custava quatro escudos, e o meu querido tio dividia o prato comigo.

Anos mais tarde, eu com 17, ele trabalhava nas obras da Ponte 25 de Abril (tinha outro nome, que eu não consigo mencionar porque me enoja), e eu partia para Moçambique para conhecer o meu pai. O tio foi despedir-se de mim e, de cachecol do Sporting, chorava que nem uma criança. Hoje, não há dia que não recorde este homem que tenho no fundo do coração.

A subir

Morreu Filipe Duarte. Um enorme actor, coisa rara hoje em dia. Somos poucos, os que interpretam personagens: Nuno Lopes, Zé Raposo, Beatriz Batarda, Manuela Maria, Rita Blanco, Ana Nave e mais uma dúzia deles. O resto, é a desgraça completa que se vê todos os dias. Tanto faz um Otelo, uma prima, um tasqueiro, um GNR, uma assassina, coitados, fazem deles próprios, tudo igual! As telenovelas, um enjoo!

Paz à tua alma, Filipe. Obrigado pelo que nos deste!

A descer

O juiz do caso de Rui Pinto é um fervoroso adepto do Benfica? E vai julgar casos relacionados com o Benfica? Não deve ser verdade. Não acredito! A nossa Justiça não descia tão baixo! São "fake news"!!!

*Adepto do Sporting

o autor escreve segundo a antiga ortografia

Outras Notícias