Opinião

#Conto_de_Natal

Era uma vez um senhor muito maravilhoso, mesmo boa pessoa. Tinha um coração tão grande, tão grande, que gastava 72% do salário em comprimidos de placenta, prescritos por um curandeiro de Montalegre.

Apesar de a medicação lhe dilatar o diafragma, passava a vida de coração apertado. Só conseguia estar bem a fazer o Bem.

Num dia de verão, saiu para comprar cenouras. Sobrava-lhe pouco dinheiro, mas mesmo assim olhou para um fogareiro muito caro e logo pensou num amigo que adora grelhadores, ao ponto de dar as sardinhas à cadela e comer as grelhas, temperadas com carvão moído. Contou até aos cêntimos, sujeitou-se à tosse e já não trouxe as cenouras para fazer o remédio. Só queria ver o amigo feliz. Ainda por cima, o kit incluía acendalhas. Um luxo!

Meia dúzia de meses depois, à beira do Natal, percebeu que o amigo não gostou do grelhador. O senhor ficou muito triste e com várias lágrimas em vários olhos. A única coisa boa no meio de tanta infelicidade foi ficar com o coração apertadinho, pequenino e angustiado, deixando de precisar dos comprimidos e poupando assim 72% do salário para poder comprar um grelhador ainda melhor, mas para a casa dele. Há males que vêm por bem: o senhor deixou de ser otário.

*Jornalista

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG