EUA

Bill Cosby condenado a pagar 474 mil euros por abuso sexual de adolescente em 1975

Bill Cosby condenado a pagar 474 mil euros por abuso sexual de adolescente em 1975

Um júri civil condenou, na terça-feira, o ator norte-americano Bill Cosby a pagar 500 mil dólares (474 mil euros) por ter abusado sexualmente uma adolescente de 16 anos, na Mansão da Playboy, em 1975.

Os jurados do condado de Los Angeles deram o veredicto em favor de Judy Huth, que agora tem 64 anos. Ficou provado que Bill Cosby provocou de forma intencional contacto sexual com a vítima, que o ator acreditava que esta tinha menos de 18 anos e que a sua conduta foi motivada por interesse sexual não natural ou anormal num menor.

A decisão do júri - uma grande derrota legal para o artista de 84 anos, que já aclamado como pai da América - surge quase um ano depois de a sua condenação criminal na Pensilvânia por agressão sexual ter sido descartada e ter sido libertado.

O processo de Judy Huth foi uma das últimas reivindicações legais restantes contra Bill Cosby depois de a sua seguradora ter resolvido muitos casos contra a sua vontade.

O ator não se apresentou no julgamento e nem testemunhou pessoalmente, mas foram mostrados pequenos depoimentos em vídeo, de 2015, nos quais negou qualquer contacto com Judy Huth. Bill Cosby continua a negar as alegações.

Os advogados de Bill Cosby concordaram que o artista conheceu Judy Huth num filme no sul da Califórnia, em abril de 1975, tendo sido levada para a Mansão da Playboy alguns dias depois.

A maioria dos jurados aparentemente concordou, dando a Judy Huth uma vitória num processo que levou oito anos e superou muitos obstáculos para chegar a julgamento.

PUB

Judy Huth dizia que foi agredida sexualmente pelo ator, que durante anos interpretou o pai ideal no "Cosby Show", quando tinha apenas 16 anos, em 1975, na famosa Mansão da Playboy, em Los Angeles, no estado norte-americano da Califórnia. Em 2 de dezembro de 2014, Judy Huth apresentou uma queixa civil, mas o tribunal suspendeu o processo por causa das acusações criminais contra Bill Cosby na ocasião.

A decisão do Supremo Tribunal da Pensilvânia, em seguida, a rejeição de um recurso neste caso à Supremo Tribunal dos Estados Unidos em março de 2022, foi vista por muitos como um desprezo pelo #MeToo contra a violência contra as mulheres.

O Supremo Tribunal da Pensilvânia não desculpou Cosby, mas anulou a condenação por um defeito processual.

O primeiro procurador encarregado do caso de Andrea Constand decidiu em 2005 não processar o Cosby em processos criminais, enquanto o encorajava a testemunhar em processos civis movidos pelo queixoso, o que o ator concordou em fazer.

Durante a audiência, o ator admitiu ter dado um sedativo a Andrea Constand antes de fazer sexo. Segundo Cosby foi consentido, porque Andrea Constand não protestou ou expressou a sua desaprovação, testemunho que foi usado contra o artista no julgamento criminal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG