Televisão

Felipa Garnel: "A TVI precisa de tempo"

Felipa Garnel: "A TVI precisa de tempo"

São as primeiras palavras da nova diretora de Programas da TVI desde que tomou posse, no início do verão.

Felipa Garnel explica o que pretende para a estação de Queluz e fala num "horário martirizado", a propósito de "Ver pr"a crer", o formato com Pedro Fernandes, Ana Guiomar e Rita Salema, que vai concorrer, a partir de quarta-feira, com "O preço certo" (RTP) e "Prémio de sonho" (SIC).

De acordo com Felipa Garnel, a palavra "família" é a chave na programação do quarto canal. "O "Ver pr"a crer" é o início de uma estratégia e é muito familiar, logo diz alguma coisa do que é a estratégia da TVI", salientou Felipa Garnel, recordando que, só este ano, o canal já teve "18 programas neste horário".

"É dos horários mais complicados e dos que mais martirizados foi. Por isso há um caminho a fazer, ninguém espera que seja líder logo. Não vou falar em números, mas um bom resultado seria melhor do que o que está. Isto é um horário de acesso ao "Jornal das 8". Este horário teve 18 programas este ano, desde o "Inspetor Max" até ao "Chef é você" e há que recuperar o público deste horário", diz a responsável, que garante "não ser uma crítica" à anterior gestão [de Bruno Santos] "mas uma constatação".

A diretora de Programas sabe que tem os olhos do mundo em cima de si. Mas não se importa. "Tenho uma responsabilidade grande, não nego. As coisas não se fazem de um dia para o outro. É a primeira vez que estou a falar com jornalistas. Tudo o resto que sai na Imprensa não é pela minha boca e não é verdade", assegura, para garantir que a compra da TVI não a condiciona. "A TVI precisa de tempo. Há uma grelha com que nos identificamos e queremos conquistar os portugueses. Isso é com uma estratégia com calma, passo a passo..."

Felipa Garnel diz que "Pesadelo na cozinha", com o chef Ljudomir "talvez venha aí", não comenta a eventual passagem de Manuel Luís Goucha para as tardes e só abre uma exceção para falar de Fernando Mendes, que recusou transferir-se para a TVI.

"Convidei-o para vir com "O Preço certo" e não era possível. Os contratos não estavam casados: o contrato do Fernando Mendes acabava agora e o do programa para o ano. Não podia vir o "pack" todo", lamentou.