Entrevista

Inês Herédia: "Não faço bandeira da homossexualidade"

Inês Herédia: "Não faço bandeira da homossexualidade"

Atriz desmistifica o tema e refere que a melhor forma de encarar é com "normalidade".

Inês Herédia está de regresso à ficção nacional. A atriz vai dar vida a Isabela, uma ervanária, na nova novela da TVI "Quer o destino", que se estreia no próximo mês. Mas as atenções dos jornalistas, durante a apresentação do projeto, viraram-se para outros assuntos: a participação numa novela depois de ter sido mãe dos gémeos Tomás e Luís, de um ano, e a entrevista sem tabus que deu a Fátima Lopes no programa "Conta-me como és" e no qual abordou a sua homossexualidade.

"Nunca pensei que aquela entrevista tivesse o impacto que teve, mas recebi centenas de mensagens de pais de homossexuais, que sentem que têm uma voz, e de gente do meu núcleo mais católico que, de repente, olhou para onde nunca tinha estado disponível para olhar", frisou, em entrevista ao JN.

"É muito interessante estares a desmistificar algo: não há nada diferente comigo, tenho uma família em casa, trabalho, passo os fins de semana e o Natal com os meus pais", esclarece.

Mas a homossexualidade da atriz é vivida de uma forma muito pessoal. "Faço as coisas com tranquilidade e também não tenho nenhuma bandeira na testa. Cada um faz a sua luta e a forma de fazer a diferença é mostrar que é tudo normal. Para outros será uma marcha. Tudo é respeitável. Mostro às pessoas que, se calhar, viveram nas mesmas dificuldades interiores que eu vivi na adolescência, que está tudo bem, nada tem de mudar", remata, sobre o tema.

Mãe dos gémeos Luís e Tomás, de um ano, Inês Herédia anda feliz da vida e diz que não foi assim tão complicado voltar a gravar. "Não está a ser difícil, mas estou cansada. O mais importante para mim neste regresso à ficção foi ter uma personagem por quem me apaixonei. Só essa dedicação me faria sair de casa com um sorriso e saber que estava a fazer pela minha carreira e por eles ao mesmo tempo".

Chorar ao ver Tomás a andar

Tomás "já anda por todo o lado e já não quer gatinhar" e Luís "dá uns passos mas gosta de ir agarrado à parede, é mais precavido".

Os gémeos já dizem "papa, banana e "mã" (que Inês Herédia interpreta como "mãe"). "Agora vamos ver a quem vão chamar mãe primeiro, se a mim, se à Gabi", brinca a intérprete, numa referência a Gabriela Sobral, ex-diretora de Programas da SIC, sua mulher. Tomás "começou a andar no dia 31 de dezembro" e Inês admite que chorou. Agora, foi a vez de Luís começar a dar os primeiros passos.

E como conciliar com a profissão? A companheira vai assumir os gémeos a tempo inteiro. "Agora a Gabi está disponível e esta é uma fase irrepetível".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG