Entrevista

Conan Osiris: "Posso ser maluco, mas não estou sozinho"

Conan Osiris: "Posso ser maluco, mas não estou sozinho"

De repente, o nome de Conan Osiris invadiu conversas de café, páginas de jornais e programas de televisão. A performance singular do lisboeta na semifinal do Festival da Canção, no sábado, gera amores e ódios mas nunca deixa alguém indiferente.

Lá fora, pede-se a Portugal "go big or go home" (fá-lo em grande ou vai para casa) e muitos falam da forte possibilidade de "Telemóveis" vencer a Eurovisão. Mas é preciso que chegue lá.

Este artesão extraterrestre de música que invadiu o espaço mediático aterrou no festival com um tema que já tem quase dois milhões de visualizações no Youtube, dois terços das que "Amar pelos dois", de Salvador Sobral, tinha quando atuou na final da Eurovisão.

O fenómeno popular e o primeiro lugar na votação do público deixaram-no "muito surpreendido", revela o músico, ao JN. Entre solicitações e outros afazeres teve pouco tempo para sair à rua, mas no Instagram sente o carinho do público. É um movimento que, como o próprio diz, faz da frase "ok posso ser maluco, mas não estou sozinho" um desabafo. E saber que o obreiro desse abrigo coletivo de bons doidos é o próprio Conan deixa-o radiante: "É tudo o que eu poderia sonhar para além da música".

Mas o apoio a "Telemóveis" não está só cá dentro. Além-fronteiras, os youtubers e bloggers exclusivos de assuntos relacionados com a Eurovisão são unânimes: Conan Osiris pode vencer em Israel e Portugal não deve desperdiçar a oportunidade. "Isto é bom! Adoro mesmo a música, faz-me querer ouvir mais", resumiu Alesia Michele, uma das principais bloggers da Eurovisão.

Matt Friedrichs, youtuber do "Eurovision Younited", classifica o tema de "fascinante e hipnotizante", ao passo que a conhecida "drag queen" Maxxy Rainbow considera a música de Conan "negra, misteriosa, envolvente, única e de outro Mundo" pelo que "seria uma incrível escolha". O portal Jen"s place, também especializado em assuntos da Eurovisão, não tem dúvidas: "É um tema emocional que pode ir muito longe na Eurovisão".

O que é que tem, então, Conan Osiris? Para além da máscara com um significado secreto - que gerou um saudável momento de humor com António Raminhos no Instagram - Conan Osiris distingue-se pelo estilo controverso na música, na roupa e na performance. A aparente dislexia com que o bailarino João Reis Moreira acompanha a multicultural composição de Conan Osiris conjuga-se de forma perfeita com a voz do lisboeta, de estilo cigano que "sai de forma natural", diz o próprio, que não tem quaisquer raízes naquela etnia.

Nome inspirado em animação e em deus egípcio

Há muito que Conan Osiris conquistou milhares de fãs em Portugal, sobretudo com o álbum "Adoro Bolos", onde se destaca a canção homónima, "Celulitite" e "Borrego". É com "Telemóveis", no entanto, que a maioria ficou a conhecer o estilo e catapultou a fama do músico.

Conan é, na verdade, Tiago Miranda. Um "rapaz de Lisboa" nascido no Cacém há 30 anos que se mudou cedo para a capital. Aprendeu sozinho a fazer música em casa, estudou Design Gráfico em Castelo Branco e teve uma educação maioritariamente dada por mulheres, pois perdeu o pai aos oito anos. Musicalmente, canta Amália mas parece o Variações. Abusa da metáfora e deve o nome ao desenho animado "Conan: o Rapaz do Futuro". O Osiris vem do deus egípcio.