Estilo

Dos chapéus de pescador ao psicadelismo: a Semana da Moda de Londres

Dos chapéus de pescador ao psicadelismo: a Semana da Moda de Londres

Dezenas de estilistas apresentaram as suas coleções e definiram as tendências do da moda de homem para o próximo verão, na Semana da Moda de Londres, que terminou esta semana. Saiba o que de mais importante se viu na capital britânica.

Ignorando a confusão política instalada em Inglaterra, realizou-se mais uma edição da aclamada London Fashion Week. Os desfiles de moda espalhados pelo centro da capital britânica renderam milhares de visitantes à cidade. Contrariamente a edições anteriores, este ano a semana da moda Londrina focou-se apenas na moda masculina para primavera/verão 2020.

O setor masculino da área revelou um crescimento significativo nos últimos anos, representando 30% do lucro de grandes marcas, como a Alexander McQueen. O editor da revista britânica GQ, que esteve presente nos desfiles, justifica que a adesão deve-se à recente revolução na moda masculina, cada vez mais arrojada e criativa, revelando o interesse crescente dos homens pelo mundo da moda. Uma crescente preocupação com a imagem e apresentação na sociedade atual são fatores que também aumentam a adesão.

As tendências para a próxima estação foram definidas por marcas e estilistas de renome tais comoPrada e Saint Laurent, bem como outros menos conhecidos que aproveitaram a semana para se lançar no mundo da moda. Como é habitual nos grandes eventos de moda, também o público ditou tendências e vestiu-se para impressionar nas ruas londrinas. O destaque entre quem assistiu aos desfiles: os chapéus de pescador. A última vez que foram associados à industria da moda foi no ano passado, em Paris, e são agora apontados como um dos artigos essenciais para esta estação. Disponíveis em todas as cores e padrões, marcas como a Adidas apostaram nos famosos chapéus.

O regresso da marca Alexander McQueen foi uma das grandes surpresas da semana. A nova coleção da autoria de Sarah Burton (criadora do vestido que Kate Middleton usou no casamento e diretora criativa da marca) marcou pela diferença. Mantendo a estilo clássico do fato britânico, elegante e sóbrio no corte, Burton apostou em padrões psicadélicos inspirados nos anos 60, cores vivas - como o cor-de-rosa - e em flores, para alegrar os conjuntos. A coleção foi uma das mais bem recebidas da semana.

Outro nome britânico representado e que se tem revelado um talento na industria de fashion é Craig Green. Através da música usada na cena de Bufallo Bill no filme "Silêncio dos Inocentes" ("Goodbye Horses"), o tema principal da coleção foi a pele. Usando transparências e tecidos brilhantes, Green criou uma ideia de nudez e glamour que irá marcar a moda masculina nos próximos anos.

Para além de representar a pele, o jovem estilista pretendeu transmitir uma mensagem ambientalista, inspirando parte do seu trabalho em sacos de plástico, já que este rodeia o planeta, os animais e o seres humanos.

Alguns designers e companhias mais pequenas tiveram a possibilidade de apresentar as suas coleções na famosa passerelle. Exemplo, são as marcas como Fashion East e Studio ALCH.

A coleção da Fashion East apresentou-se colorida e minimalista. A marca inspirou-se em tons fortes, tal como o vermelho, o azul, entre outros, e os modelos apresentados demonstram uma ousada mistura entre a arte cinematográfica e a moda, com alusão a robôs e sereias. Tecidos vibrantes, metálicos e veludos acompanhados por maquilhagens em tons fortes. A coleção rendeu à marca atenção dos média pela ousadia e foi considerada, por muitos, a melhor coleção da semana.

A Studio ALCH também apostou nas nas cores vivas. Os azuis, brancos e os florescentes foram as cores de ordem na coleção, que apresentou um estilo urbano. Popularizado em áreas de Nova Iorque tais como Brooklyn e Queens, com influência dos grupos rappers dos anos 90, o "urbanwear" conta com roupa larga e casual, fatos de treino, "hoodies", sapatilhas altas, entre outras peças mais invulgares no mundo da moda, como os calções para ciclistas.

Apesar de muitos não considerarem a coleção arrojada o suficiente para estar na semana da moda, esta conseguiu chamar a atenção de alguns olhares curiosos.

Cores vivas, padrões que relembram o psicadelismo dos anos 60, flores e o estilo urbano da grande maçã são os principais estilos que irão dominar as ruas nos próximos tempos, especialmente no próximo verão. Roupas largas, fatos coloridos e estilos que parecem quase saídas de um filme de ficção cientifica serão as próximas peças nas lojas e no nosso guarda-roupa.