Realeza

Isabel II carrega coroa e dissabores há 67 anos

Isabel II carrega coroa e dissabores há 67 anos

Depois de passar por uma Guerra Mundial e de viver a Guerra Fria, de ver os filhos a divorciarem-se, de enfrentar a dor com a morte de Diana, Isabel II vive agora mais afastada da Imprensa internacional.

O mediatismo de Kate Middleton e de Meghan Markle, as mulheres dos netos William, candidato ao trono, e de Harry, vai ofuscando a imagem da rainha que hoje cumpre 67 anos da sua proclamação.

Isabel e Philip, casados há 71 anos, têm quatro filhos (Carlos, Ana, André e Eduardo) e enfrentam, hoje, mais uma batalha no Reino Unido. O Brexit já obrigou a um plano para proteger a soberana e levá-la para parte incerta, caso haja motins.

Politicamente ativa, Isabel só há menos de um ano entregou ao príncipe Carlos, seu herdeiro, a liderança da Commonwealth , revelando saúde de ferro aos 92 anos e jovialidade na escolha de cores vivas para as suas indumentárias.

Sabendo-se que o seu funeral já está preparado e que ditará dez dias de luto, a monarca britânica não larga a coroa e parece aceitar bem as escolhas dos netos em termos de companhia. Kate e Meghan surgem sempre com uma Isabel sorridente e a imprensa garante que, quando ambas se zangaram, foi a rainha quem as pôs na ordem e que conseguiu que o último Natal fosse em família.

Sempre à espera

Carlos, o eterno candidato ao trono, ganhou uma batalha ao casar-se com Camilla Parker-Bowles, com quem traiu Diana, mãe de William e Harry (que morreu em 1997), mas tem perdido pontos na popularidade. Vieram a público, por alguém que trabalhou na Casa Real, manias suas "ditas estranhas", como levar a tampa da sanita sempre que viaja ou obrigar a passar a ferro os cordões dos sapatos, e, por estes dias, numa revista inglesa, Simon Dorante-Day, um australiano de 52 anos, garantiu que é o "filho abandonado"de Camilla e de Carlos.

Isabel herdou a coroa de Jorge VI, colocando-a dez dias após a sua morte, tinha 25 anos. Foi a primeira cerimónia do género a ser televisionada. Perdeu a mãe e a irmã, teve três jubileus (prata, ouro e diamante), conheceu muitos presidentes de nações e papas, viu as descolonizações em África, nascer uma moeda única na Europa que o Reino Unido integrou sem mexer na libra e manteve em segredo qual a sua fortuna pessoal. Em 2010, a "Forbes" falava em mais de 400 milhões de euros, coisa que a Casa Real nunca confirmou.

Voltando ao mediatismo das netas, a rainha tem sabido lidar com notícias menos agradáveis que chegam da América, a terra da Meghan, sobre o seu passado e a sua família. Tem sabido porque sorri. Sorri sempre que aparece em público. Sorri mesmo quando Philip, 96 anos, já retirado de eventos oficiais, se envolve em acidentes de condução e é dono de gafes nunca esquecidas. "É com grande prazer que declaro esta coisa inaugurada seja lá o que for", é a mais conhecida.