Televisão

Margarida Vila-Nova de regresso à TVI nove anos depois

Margarida Vila-Nova de regresso à TVI nove anos depois

Depois de "Paixão", na SIC, e de ter gravado as séries da RTP "Sul" e "Luz Vermelha", Margarida Vila-Nova está de regresso à TVI, nove anos depois, para protagonizar a próxima novela da estação. Um trabalho que marcará o reencontro com o argumentista brasileiro Rui Vilhena, que também volta à ficção nacional.

"Estou no núcleo principal, com um elenco de luxo. E se há personagem que me marcou foi a Maria Laurinda (em "Tempo de Viver"), escrita pelo Vilhena. Acho que me espera um delicioso desafio", sublinha, nitidamente entusiasmada.

A oportunidade surgiu porque já não tem contrato de exclusividade com a SIC, com quem acordou não renovar. E, na verdade, Margarida, de 35 anos, não tem parado de estar envolvida "em bons projetos", sempre com a liberdade de escolher. Independentemente do vínculo, "eu não consigo fazer um projeto em que não esteja envolvida, em que não acredite, com o qual não me identifico ou em que não me sinta estimada pela outra parte", confessa.

Ainda antes de agarrar o próximo papel, a atriz encontra-se agora a promover o filme "Hotel Império", realizado pelo ex-marido, Ivo Ferreira, motivo pelo qual esteve no Porto, anteontem, com tempo para uma conversa com o JN. O filme "marca uma época e uma fase da minha vida muito importante", sublinha Margarida, lembrando que, "nos últimos sete anos", viveu dividida "entre Macau e Lisboa", por causa do então marido. Na história rodada em território macaense em fevereiro de 2017, ela é Maria e fala em chinês, a par do português, o que a obrigou a ter aulas diárias. "Ao contrário de mim, esta personagem não é uma emigrante. Ela é nascida e criada em Macau, em ambiente chinês, numa relação única com a cidade e que eu não tenho, por muito que eu tenha sido feliz lá", recorda a protagonista.

Macau ficou para trás

Separada de Ivo Ferreira desde o ano passado, Vila-Nova deixou para trás a vida em Macau, passando "o testemunho" da Mercearia Portuguesa de que era proprietária. Mas pretende regressar, até porque deixou lá amigos. Os filhos, Dinis, de 10 anos, e Martim, de sete anos, sempre se dividiram entre os dois países, por isso não notaram grandes mudanças.

A par do que já tem em andamento, Margarida juntou-se a Inês Castel-Branco, a Vera Kolodzig e a Dina Félix da Costa com a ideia de levar à cena, "para o ano que vem, uma peça de teatro". Agora, a curto prazo, a vontade é de ir de férias, antes de começar a gravar.

Imobusiness