CAFÉ COM...

Leonor Seixas com pequeno papel em "Laços de sangue"

Leonor Seixas com pequeno papel em "Laços de sangue"

A viver em Los Angeles, Estados Unidos, há já meio ano, Leonor Seixas voltou a Portugal para participar em "Laços de sangue", que a SIC estreará a 13 de Setembro. Na nova história da produtora SP Televisão, Leonor dá vida a Eunice Nogueira, ainda nos anos 80, ou seja, apenas no primeiro episódio.

Mais tarde, Eunice será interpretada por Lia Gama. Apesar de ser uma prestação pequena, a actriz não escondeu a satisfação pelo convite, até porque passa por várias emoções ao longo das gravações das suas cenas. Afinal, elas explicam todo o desenrolar da novela que marca a estreia de uma parceria da estação de Carnaxide com a TV Globo. Na vida real, Leonor Seixas, de 29 anos, não tem medo de arriscar e partir em busca de novas aventuras. Em conversa com o JN, depois de "despir" a pele de Eunice, nas margens do rio Minho, em Melgaço, Leonor assumiu-se uma pessoa desprendida e adaptada ao presente.

Está aqui por causa de "Laços de sangue". Fale-nos da sua pequena-grande participação...
(risos) Essa é uma boa definição, pois sinto exactamente isso... Fazer participações é sempre muito interessante, principalmente no primeiro episódio, até porque neste caso é importante para o resto da história e é de uma intensidade inacreditável. Fiquei muito entusiasmada com este convite, por trabalhar, mais uma vez, com o José Fidalgo, pois gosto muito dele, com crianças também, e porque as cenas estão muitíssimo bem escritas. E, agora, que estou a gravar, estou a amar fazer isto.

Foi intensivo também ao nível de tempo, certo?
Sim, estivemos dois dias para fazer a mesma cena, portanto dá para perceber um bocado a sua intensidade. São muitos "takes" e é uma cena que se quer que fique - obviamente como todas as outras - perfeita, porque está aqui a base de toda a história. São cenas muito dramáticas, muito difíceis de fazer, principalmente porque temos de repetir muitas vezes para apanhar os diferentes ângulos.

Que acha da parceria da SIC com a TV Globo que se estreia nesta produção da SP Televisão?
Acho que isso é maravilhoso, pois só nos põe mais no mercado internacional, o que é sempre bom para todos. É fantástico fazermos estes intercâmbios, principalmente com um país de língua portuguesa. Só temos a aprender e evoluir com isso. Portanto, espero que aconteça mais... Nós lá e os brasileiros também em Portugal, sempre mais!

Nesta fase, contaram com a presença da Laís Corrêa, a directora de actores, que representa a Globo. Como é trabalhar com ela ?
Estou completamente apaixonado por ela. A Laís faz um excelente trabalho e é sempre bom termos estas pessoas que nos ajudam a puxar as nossas ferramentas, as nossas potencialidades. Nós, actores, trabalhamos com a nossa voz, com o nosso corpo, com os nossos sentimentos, com a nossa cabeça e o nosso coração, pois só nos temos a nós. A Laís mexe com isso de uma forma inacreditável. Já há muito tempo que não me sentia tão bem, pois aprendi tanto só nesta semana e estou muito contente com a Laís e com todos os outros. Temos a realizadora, a Patrícia Sequeira, que é incrível. Ela exemplifica as cenas, entra na água...

Vive em Los Angeles desde Janeiro. Como está a correr essa experiência?
Está a ser maravilhosa... Estava a precisar de ar fresco, de experiências novas, o que também tem muito a ver comigo. Gosto muito de viajar, de sair, de desafios e de mudar de ares. Está a ser uma experiência muito rica e que trará novidades boas. Fui para lá fazer contactos em busca de novas aventuras, além de ter algumas aulas, de canto e de corpo, por exemplo. Mas, estou muito focada em arranjar trabalho, em divertir-me e, principalmente, respirar novos ares.

Por lá, mantém contacto com outros portugueses?
Em Los Angeles, há poucos portugueses. Tenho uma grande amiga, a Rita, que vive nos Estados Unidos há quase vinte anos, portanto não conta, tenho também outro amigo, actor, o Paulo, africano, filho de pais portugueses. De resto, há dois ou três portugueses e fazemos um jantar uma vez por mês.

Quando volta a Portugal, mata saudades de quê?
Sou muito carnívora, mas nunca senti tantas saudades de comer peixe fresco, escalado e com legumes... Acima de tudo, mato saudades do trabalho, que é muito bom, das pessoas, da minha casa e das minhas coisas. Mas, não sou muito saudosa e agarro-me ao sítio onde estou. Sou muito de viver o presente!