Televisão

Liliana diz que "aperto no pescoço é amor" e Bruno de Carvalho nega violência

Liliana diz que "aperto no pescoço é amor" e Bruno de Carvalho nega violência

O antigo presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, negou ter exercido violência doméstica sobre a concorrente Liliana Almeida no "Big Brother Famosos". A cantora garante que nunca teve medo e que o aperto no pescoço foi "tensão e amor".

A TVI tentou colocar, esta noite, um ponto final na polémica do passado fim de semana, com famosos e anónimos a revoltarem-se contra a relação "tóxica" entre os participantes do "Big Brother Famosos" Bruno de Carvalho e Liliana Almeida, depois de o ex-dirigente do Sporting ter agarrado a cantora pelo pescoço.

A gala deste domingo começou mesmo com uma tomada de posição do quarto canal, lido por Cristina Ferreira. "Os concorrentes são acompanhados por uma equipa de médicos que sabe de tudo. Temos um dever: de imparcialidade e de não julgamento dessas pessoas", referiu a apresentadora. "Levantaram-se questões fraturantes e por isso hoje tivemos de ter esta conversa", justificou.

PUB

Seguiu-se Bruno de Carvalho, que foi chamado ao confessionário, depois de ter sido avisado pela advogada que, cá fora, tinha sido feita uma queixa da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) junto do Ministério Público. "Ia exercer violência doméstica e psicológica à frente de milhões de pessoas? Os meus crimes são sempre de imbecilidade, sou atrasado mental. Nunca exerci violência sobre ninguém!", defendeu.

Liliana Almeida reagiu em seguida. "Nunca me senti subjugada ou dominada. Pensei sempre pela minha cabeça. Nunca tive medo. Ele é muito intenso, ou seja, sabe o que quer para a sua vida. Se sentir que não quero o que ele quer, eu digo-lhe", garantiu a cantora. "Relação abusiva tem a ver com um comportamento agressivo na maior parte do tempo. Não caracterizo o Bruno nessa categoria. Este aperto de pescoço é carinho, amor, tensão, tesão... a minha família que confie em mim, não me vou violentar", garantiu.

Recorde-se que a CIG anunciou que apresentou uma denúncia ao MP pelo "comportamento ameaçador" de Bruno de Carvalho para com a concorrente. A Comissão alega que o comportamento do ex-presidente do Sporting "é suscetível de configurar a prática de crime público de violência doméstica, na forma psicológica e física".

A Associação Portuguesa do Apoio à Vítima (APAV) já tinha tomado uma posição na passada sexta-feira, ao admitir que recebeu "pedidos de intervenção". Daniel Cotrim, psicólogo e responsável da APAV, disse ao site "Delas": "A entidade está a ver e atenta ao que se está a passar".

A "onda" de revolta contra a relação "tóxica" entre os dois concorrentes cresceu no passado fim de semana, com duas figuras públicas a darem a cara e a mostrar revolta e desconforto. Catarina Furtado, apresentadora da RTP1, ligada a várias causas, não se coibiu de criticar o "Big Brother Famosos": "As princesas de hoje têm de ter a liberdade de serem donas das suas vidas! Temos de ser vigilantes e agir em comunidade quando isso não acontece. Na minha opinião a televisão tem a obrigação de impor limites quando os direitos humanos são violados".

A cantora Carolina Deslandes também se mostrou muito crítica. "Isto é violência física e psicológica. Isto é tudo aquilo que durante séculos foi normalizado. É crime. E tem de ser tratado como tal."

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG